sicnot

Perfil

Mundo

Malala pede mais esforço internacional para libertar estudantes na Nigéria

A Nobel da Paz Malala Yousafzai acusou hoje os governantes nigerianos e comunidade internacional de não fazerem o suficiente para que as 219 raparigas, mantidas em cativeiro pelo grupo Boko Haram, sejam libertadas.

© POOL New / Reuters

"Na minha opinião, os líderes nigerianos e a comunidade internacional não têm feito o suficiente para conseguir a vossa liberdade", escreveu a ativista numa carta dirigida às adolescentes, na véspera de se assinalar um ano sobre o seu rapto.

"Eles devem fazer muito mais para vos conseguirem libertar. Eu estou entre as pessoas que os estão a pressionar para que assegurem a vossa libertação," acrescentou, chamando as raparigas de "minhas corajosas irmãs", segundo a Agência France Press. 

A carta escrita por Malala, constitui "uma mensagem de solidariedade, amor e esperança" e faz parte de um conjunto de eventos, incluindo manifestações, orações e vigílias - que pretendem marcar esta efeméride. 

Na noite de 14 de abril do ano passado, o grupo radical Boko Haram raptou 276 adolescentes de uma escola da localidade de Chibok, no Estado de Borno, no nordeste da Nigéria.

 Do grupo 57 conseguiram fugir, quanto às restantes não se conhece o paradeiro, tendo sido vistas pela última vez num vídeo divulgado pelo Boko Haram em maio.

O líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, afirmou que todas as adolescentes foram convertidas ao islão e obrigadas a casar.

Malala criticou o ex-Presidente da Nigéria Goodluck Jonathan por não ter feito o suficiente para libertar as raparigas raptadas.

No entando, elogiou o Presidente recém-eleito, Muhammadu Buhari, por ter prometido fazer do resgate das adolescentes uma prioridade e não tolerar mais violência contra as mulheres e adolescentes. 

Na carta, Malala, de 17 anos, contou ainda a sua experiência nas mãos dos talibans no Paquistão, que pela sus insistência no direito das raparigas à educação.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.