sicnot

Perfil

Mundo

"O meu pai foi o bandido mais perigoso do século passado"

Juan Pablo Escobar, filho do mais famoso narcotraficante sul-americano, disse hoje à Lusa que escreveu a biografia sobre o pai por respeito às vítimas do Cartel de Medellin.

© Jose Gomez / Reuters

"Como bandido, o meu pai foi o bandido mais perigoso do século passado, mas eu não o posso renegar e não posso ser o juiz da vida dele porque eu sou parte dele, apesar de ser consciente de todos os atos que cometeu", disse à Lusa Juan Pablo Escobar, 38 anos, que se encontra em Lisboa para o lançamento do livro "Pablo Escobar -- O meu pai".

Segundo o filho do antigo líder do Cartel de Medellin, na Colômbia, que morreu em 1996 com 44 anos de idade, o principal motivo do livro foi dar às vítimas o "direito à verdade".

"Este livro deixa pior o meu pai do que já estava porque conto coisas que ninguém sabia. Não o escrevi para o justificar, mas sim para deixar clara a história sobre os acontecimentos depois de todas as versões que se contaram. Eu sou o último que falou. Esperei 21 anos para falar. Deixei primeiro que todos contassem as suas mentiras", disse.

Juan Pablo Escobar recordou que muitas vezes ocorreram conflitos entre pai e filho, mas que apesar de tudo o narcotraficante sempre lhe deu "espaço" para o criticar sobre a violência.

"Eu sabia que a violência só o ia afastar de uma solução, mas é preciso entender o contexto político, social, económico e mesmo de direitos humanos em que os colombianos viviam naquela altura. Era muito difícil distinguir quem era pior: se os bandidos ou o Estado. Parecia uma corrida para ver quem era o mais violento", recordou o filho de Pablo Escobar.

Lembrando que se tratava de "uma guerra", em que "era difícil determinar quem atirou a primeira pedra", referiu que o pai "escolheu ser um bandido e isso tem as suas consequências" e lamentou que Pablo Escobar não tenha sido capaz aproveitar a oportunidade para se redimir quando foi preso, em circunstâncias singulares que ele próprio determinou.

"O que eu mais lamento é que depois do que conseguiu não tenha respeitado o que conseguiu - porque não conheço nenhum bandido na história da humanidade que tenha conseguido construir a sua própria prisão, desenhar a Constituição do seu país e modificar a lei para seu próprio benefício para se poder entregar à justiça", disse, recordando o processo invulgar em que Pablo Escobar foi detido na Colômbia.

No livro, Juan Escobar, que vive exilado na Argentina, revela que o pai não foi abatido como "conta a versão oficial", mas que se suicidou com um tiro na cabeça durante um confronto com as autoridades em dezembro de 1993 e referiu que ainda pensou em vingar a morte do pai, mas desistiu.

"Não era o caminho. Porque quando comecei a pensar na vingança dei-me conta de que estava a transformar-me no homem que eu mais criticava que era o meu próprio pai", confessou o filho do narcotraficante colombiano.

Sobre a biografia, admitiu que as informações podem ter aberto algumas feridas, mas não foram contrariadas por ninguém, acrescentando que pode responder "por cada palavra" do livro.

"Muitos não estão contentes mas o livro já está impresso, já me podem matar", concluiu.

Entre outros factos, o livro revela a tentativa de rapto de uma filha do cantor espanhol Julio Iglesias, em Miami, os contactos com as autoridades antidroga dos Estados Unidos (DEA), as relações políticas na Colômbia e até o momento em que a espada de Simon Bolivar, o libertador das Américas, lhe veio parar às mãos.

O livro "Pablo Escobar -- O meu pai -- A radiografia íntima do narcotraficante mais famoso de todos os tempos", (Editora Planeta, 411 páginas) inclui uma série de fotografias inéditas e foi lançado este mês em Portugal.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.