sicnot

Perfil

Mundo

"O meu pai foi o bandido mais perigoso do século passado"

Juan Pablo Escobar, filho do mais famoso narcotraficante sul-americano, disse hoje à Lusa que escreveu a biografia sobre o pai por respeito às vítimas do Cartel de Medellin.

© Jose Gomez / Reuters

"Como bandido, o meu pai foi o bandido mais perigoso do século passado, mas eu não o posso renegar e não posso ser o juiz da vida dele porque eu sou parte dele, apesar de ser consciente de todos os atos que cometeu", disse à Lusa Juan Pablo Escobar, 38 anos, que se encontra em Lisboa para o lançamento do livro "Pablo Escobar -- O meu pai".

Segundo o filho do antigo líder do Cartel de Medellin, na Colômbia, que morreu em 1996 com 44 anos de idade, o principal motivo do livro foi dar às vítimas o "direito à verdade".

"Este livro deixa pior o meu pai do que já estava porque conto coisas que ninguém sabia. Não o escrevi para o justificar, mas sim para deixar clara a história sobre os acontecimentos depois de todas as versões que se contaram. Eu sou o último que falou. Esperei 21 anos para falar. Deixei primeiro que todos contassem as suas mentiras", disse.

Juan Pablo Escobar recordou que muitas vezes ocorreram conflitos entre pai e filho, mas que apesar de tudo o narcotraficante sempre lhe deu "espaço" para o criticar sobre a violência.

"Eu sabia que a violência só o ia afastar de uma solução, mas é preciso entender o contexto político, social, económico e mesmo de direitos humanos em que os colombianos viviam naquela altura. Era muito difícil distinguir quem era pior: se os bandidos ou o Estado. Parecia uma corrida para ver quem era o mais violento", recordou o filho de Pablo Escobar.

Lembrando que se tratava de "uma guerra", em que "era difícil determinar quem atirou a primeira pedra", referiu que o pai "escolheu ser um bandido e isso tem as suas consequências" e lamentou que Pablo Escobar não tenha sido capaz aproveitar a oportunidade para se redimir quando foi preso, em circunstâncias singulares que ele próprio determinou.

"O que eu mais lamento é que depois do que conseguiu não tenha respeitado o que conseguiu - porque não conheço nenhum bandido na história da humanidade que tenha conseguido construir a sua própria prisão, desenhar a Constituição do seu país e modificar a lei para seu próprio benefício para se poder entregar à justiça", disse, recordando o processo invulgar em que Pablo Escobar foi detido na Colômbia.

No livro, Juan Escobar, que vive exilado na Argentina, revela que o pai não foi abatido como "conta a versão oficial", mas que se suicidou com um tiro na cabeça durante um confronto com as autoridades em dezembro de 1993 e referiu que ainda pensou em vingar a morte do pai, mas desistiu.

"Não era o caminho. Porque quando comecei a pensar na vingança dei-me conta de que estava a transformar-me no homem que eu mais criticava que era o meu próprio pai", confessou o filho do narcotraficante colombiano.

Sobre a biografia, admitiu que as informações podem ter aberto algumas feridas, mas não foram contrariadas por ninguém, acrescentando que pode responder "por cada palavra" do livro.

"Muitos não estão contentes mas o livro já está impresso, já me podem matar", concluiu.

Entre outros factos, o livro revela a tentativa de rapto de uma filha do cantor espanhol Julio Iglesias, em Miami, os contactos com as autoridades antidroga dos Estados Unidos (DEA), as relações políticas na Colômbia e até o momento em que a espada de Simon Bolivar, o libertador das Américas, lhe veio parar às mãos.

O livro "Pablo Escobar -- O meu pai -- A radiografia íntima do narcotraficante mais famoso de todos os tempos", (Editora Planeta, 411 páginas) inclui uma série de fotografias inéditas e foi lançado este mês em Portugal.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.