sicnot

Perfil

Mundo

Regime sírio acusado de ter usado cloro na guerra

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) acusou hoje o regime sírio de ter utilizado em março barris cheios de cloro contra civis em setores rebeldes, o que foi desmentido por um responsável sírio.

© Stringer . / Reuters

No país destruído por mais de quatro anos de guerra, os 'jihadistas' do grupo Estado Islâmico (EI) perderam terreno no campo de refugiados palestiniano de Yarmuk, em Damasco, onde as condições humanitárias continuam "catastróficas", segundo a ONU.

E apesar de não se vislumbrar qualquer solução política para o conflito, o mediador da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, vai iniciar em maio, em Genebra, "consultas separadas com as partes sírias envolvidas, bem como com os atores regionais e internacionais para ouvir os seus pontos de vista", indicou um porta-voz da ONU em Genebra.

 Antes disso, a 24 de abril, Mistura deverá ser ouvido pelo Conselho de Segurança da ONU.

O diretor-adjunto para o Médio-Oriente da HRW, Nadim Hury, afirmou que seis ataques em que o exército utilizou cloro como arma química ocorreram entre 16 e 31 de março, em setores rebeldes da província de Idleb, no noroeste da Síria.

Um deles causou a morte de seis pessoas em Sermin, todas da mesma família, três das quais, crianças, precisou.

O responsável da HRW exigiu que "o Conselho de Segurança da ONU e os signatários da Convenção sobre Armas Químicas respondam pela força ao que representa uma violação do tratado" assinado pela Síria.

Um alto responsável da segurança síria em Damasco classificou tais afirmações como "mentiras" que os rebeldes dizem "para explicar os seus fracassos aos doadores financeiros".

"O Governo sírio parece esconder-se mais uma vez atrás do Conselho de Segurança e do direito internacional, e o Conselho não deve perder tempo para intervir e pressionar o Governo para cessar" de usar essas armas, insistiu Nadim Hury.







Lusa
  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.