sicnot

Perfil

Mundo

Cuba considera "justa" intenção de Obama de excluir a ilha da lista de terrorismo

O Governo cubano considerou hoje "justa" a intenção do Presidente norte-americano, Barack Obama, de retirar a ilha da lista norte-americana dos países que apoiam o terrorismo, anunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

reuters

"O nosso país foi vítima de centenas de atos terroristas, que custaram a vida a 3.478 pessoas e incapacitaram 2.099 cidadãos cubanos", refere uma declaração oficial lida na televisão estatal e subscrita pela diretora geral para os Estados Unidos do Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano, Josefina Vidal. 

Nessa declaração, Cuba rejeita e condena "todos os atos de terrorismo em todas as suas formas e manifestações, assim como qualquer ação que tenha por objetivo instigar, apoiar, financiar ou encobrir atos terroristas". 

Obama informou na terça-feira o Congresso norte-americano da sua intenção de retirar Cuba dessa lista, na qual Havana consta desde 1982 e que supõe a imposição de sanções. 

A decisão ocorre apenas três dias depois da histórica reunião que Obama e o seu homólogo de Cuba, Raúl Castro, celebraram no Panamá na Cimeira das Américas.

O Congresso dos Estados Unidos tem agora 45 dias para estudar a decisão de Obama e, em caso de desacordo, pode apresentar um projeto de lei para a revogar. 

Cuba rejeitou sempre a sua inclusão na lista de Estados patrocinadores do terrorismo por considerá-la injusta e injustificada, e o seu pedido de retirada da mesma foi um dos temas que esteve em cima da mesa nas rondas de negociação mantidas até à data entre Havana e Washington e que condicionou a abertura de embaixadas. 

Deste modo, a saída da ilha desta lista poderia abrir caminho para restaurar as relações diplomáticas dos dois países, que não têm relações diplomáticas há mais de meio século. 

No caso de entrar em vigor, a retirada de Cuba da lista representa a eliminação e uma série de sanções, como a proibição da venda de armas, de ajuda económica e de transações financeiras. 

A decisão também ajudará a desbloquear a situação da Secção de Interesses de Havana em Washington, que há mais de um ano não dispõe de serviços bancários nos Estados Unidos devido às sanções que pesam sobre a ilha, afetando o seu funcionamento. 

Os republicanos, que dominam as duas câmaras do Congresso, já exprimiram a sua oposição ao desanuviamento com o regime da ilha. 

Cuba foi colocada na lista, que inclui Síria, Sudão e Irão, em 1982, por acolher militantes separatistas bascos da ETA e guerrilheiros colombianos das FARC. 

A Casa Branca adiantou que as agências governamentais, incluindo os serviços de informações, concluíram que Cuba deveria ser retirada da lista.

"As circunstâncias mudaram desde 1982. O nosso hemisfério e o mundo estão muito diferentes do que há 33 anos", declarou o secretário de Estado, John Kerry, em comunicado.

EUA e Cuba romperam relações diplomáticas em 1961, o ano em Barack Obama nasceu
  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.