sicnot

Perfil

Mundo

EUA vão exumar restos mortais de 388 norte-americanos vítimas de Pearl Harbour

Os EUA pretendem exumar os restos mortais de 388 norte-americanos mortos em 1941 durante o ataque japonês a Pearl Harbor, uma tentativa inédita de identificação de militares com recurso a testes de ADN, informou hoje o Pentágono.

Reuters

O esforço vai focar-se nos marinheiros e 'marines' do navio USS Oklahoma que nunca foram identificados, mais de sete décadas depois do ataque surpresa que conduziu à entrada dos EUA na II Guerra Mundial. 

O navio afundou depois de ter sido atingido por torpedos japoneses no ataque de Pearl Harbor, causando a morte a 429 marinheiros e 'marines' 

Os restos mortais da tripulação que não puderam ser identificados estão sepultados no Memorial Nacional no Cemitério do Pacífico, em Honolulu.

Para serem analisados, os restos mortais vão ser desenterrados e transferidos para um laboratório do Departamento da Defesa dos EUA, no Havai. 

Gerido pela agência do Departamento de Defesa para o recenseamento de prisioneiros de guerra (POW, na sigla em Inglês) e desaparecidos em combate (MIA, na sigla em Inglês), o laboratório vai recorrer a várias técnicas, "incluindo o ADN". 

O anúncio feito hoje, em comunicado assinado pelo subsecretário da Defesa, Robert Work, reflete o compromisso, detalhado e dispendioso, dos militares norte-americanos com o objetivo de encontrar e identificar os desaparecidos em conflitos desde a II Guerra Mundial. 

O Pentágono envia todos os anos equipas forenses para locais remotos, onde ocorreram quedas de aviões no Pacífico, em busca de restos mortais de tripulações aéreas. 










Lusa
  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06