sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos três mortos e nove feridos em atentado-suicida no Mali

Pelo menos três pessoas morreram e nove ficaram feridas, três das quais com gravidade, num atentado-suicida perpetrado num acampamento da missão da ONU no Mali (Minusma) em Ansongo, no leste do país, perto da fronteira com o Níger.

O pânico tomou a população de Ansongo, na região de Gao, onde as escolas e o comércio fecharam as portas após o atentado, indicaram as mesmas fontes. (Arquivo)

O pânico tomou a população de Ansongo, na região de Gao, onde as escolas e o comércio fecharam as portas após o atentado, indicaram as mesmas fontes. (Arquivo)

© Stringer . / Reuters

Segundo fontes policiais e locais, um homem que conduzia uma viatura todo-o-terreno irrompeu pelo acampamento pelo meio-dia, levando à frente a barreira da entrada, fazendo embater o veículo contra uma bomba de gasolina no interior, provocando um incêndio.

Os mortos e feridos são, aparentemente, todos civis, embora a Minusma ainda não se tenha pronunciado sobre eventuais vítimas nas suas fileiras.

O pânico tomou a população de Ansongo, na região de Gao, onde as escolas e o comércio fecharam as portas após o atentado, indicaram as mesmas fontes.

Apesar de o ataque não ter ainda sido reivindicado, os atentados-suicidas no Mali costumam ser cometidos por grupos 'jihadistas' da órbita de influência da organização terrorista Al-Qaida ou semelhantes, que escolhem como alvos as forças governamentais ou as da ONU.

Este atentado ocorreu numa altura em que se está prestes a assinar em Argel um acordo de paz entre os diversos grupos armados no norte do Mali, apesar de os grupos independentistas ou federalistas estarem a colocar entraves até ao último momento e de a assinatura do pacto ainda não ter sido concretizada.
Lusa
  • Viver em Évora
    5:11
  • Projeto piloto no Porto com o objetivo de detetar Ambliopia em crianças
    1:16

    País

    São resultados que dizem respeito apenas ao Grande Porto, mas que podem dar uma ajuda para traçar o panorama nacional: 13% das crianças que participaram num rastreio à saúde visual tiveram de ser encaminhadas para consultadas da especialidade. O projeto piloto foi implementado em quatro concelhos do norte do país, mas pode ser alargado.