sicnot

Perfil

Mundo

Comboio de levitação magnética atinge 590 quilómetros/hora no Japão

Um comboio japonês de levitação magnética bateu esta quinta-feira um novo recorde mundial de velocidade, ao atingir 590 quilómetros numa viagem experimental, informou uma companhia ferroviária do Japão.

O comboio de alta velocidade vai ligar em 40 minutos a capital japonesa, Tóquio, à cidade de Nagoya, numa distância de 286 quilómetros. (Arquivo)

O comboio de alta velocidade vai ligar em 40 minutos a capital japonesa, Tóquio, à cidade de Nagoya, numa distância de 286 quilómetros. (Arquivo)

© KYODO Kyodo / Reuters

Um campo magnético permite que o comboio "flutue" 10 centímetros acima dos carris, eliminando o atrito e permitindo alcançar altas velocidades de forma eficiente. 

A locomotiva percorreu mais de um milhão de quilómetros nesta fase de testes, anunciou a Japan Railways Group, que planeia abrir em 2027 a primeira linha para um comboio de levitação magnética no país. 

O comboio de alta velocidade vai ligar em 40 minutos a capital japonesa, Tóquio, à cidade de Nagoya, numa distância de 286 quilómetros. 

A construção da linha, orçada em 66,6 mil milhões de euros, começou em outubro de 2014 após receber aprovação do governo japonês.
Lusa
  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.