sicnot

Perfil

Mundo

Durão Barroso rejeita que Europa esteja "em declínio"

O ex-presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, rejeitou hoje que o projeto da Europa esteja em declínio, contrapondo que quem está em declínio são os "os políticos e os intelectuais que perderam a esperança". 

© Francois Lenoir / Reuters

"Há europeístas hoje em Bruxelas que dizem que antes é que era a idade de ouro na Europa: a pequena europa dos seis países fundadores, que era mais confortável. Mas essa Europa era mais importante do que a de hoje? Nem pensar", disse Durão Barroso no discurso de aceitação do Doutoramento Honoris Causa que recebeu da Universidade Europeia de Madrid. 

Em 1992, acrescentou o ex-primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, na Europa pontificavam políticos como Jacques Delors, François Mitterrand, Felipe González ou Helmut Kohl. 

"Mas éramos apenas 12, já com Espanha e Portugal desde 1986. E alguém pensa que a Europa a 12 tinha mais influência no Mundo do que a atual Europa dos 28? Hoje temos uma representação continental", disse Durão Barroso perante um auditório cheio de professores e alunos da universidade madrilena. 

Nos anos 1980, afirmou, metade da Europa estava sob o totalitarismo comunista e alguns países Bálticos eram uma pequena parte da União Soviética, que hoje são países livres e partilham os mesmos valores da Europa.

E nos anos 1970, "Espanha e Portugal eram ditaduras que nem sequer poderiam fazer parte da União". 

"Por isso como se pode dizer que a Europa está hoje em declínio? Em declínio estão os políticos e os intelectuais que perderam a esperança. Em declínio estão alguns que seguem políticas nacionalistas, no mau sentido da palavra", afirmou Durão Barroso.

Durão Barroso, que esteve na presidência da Comissão Europeia entre 2004 e 2014, fez uma resenha dos "tempos difíceis" com que teve de lidar, sobretudo os anos de crise. 

"Hoje é comum a palavra crise. É a primeira palavra que encontram quando buscam no Google por União Europeia. Uma crise financeira e de valores, que começou noutras partes do mundo, mas que teve graves implicações na construção europeia", disse.

Mas, para Durão Barroso, a Europa mostrou resiliência e os países mais afetados, entre os quais Portugal e Espanha, conseguiram "recuperar a confiança perdida, graças ao compromisso com as reformas necessárias".

"A Europa mostrou a sua extraordinária resiliência, uma qualidade importante. É uma palavra que vem da Física: é a capacidade dos materiais recuperarem a sua forma original após um grande stress. E da psicologia: quando uma pessoa acaba por recuperar a sua capacidade e a sua vida a seguir a um grande trauma. A Europa mostrou a sua resiliência contra os profetas do pessimismo, o Glamour Intelectual do Pessimismo", disse Barroso.

O ex-presidente da Comissão Europeia recebeu hoje um doutoramento 'honoris causa' da Universidade Europeia de Madrid, "pela liderança e intenso trabalho" do português em Bruxelas.

"Considerado um dos principais políticos da história recente, Durão Barroso trabalhou a favor da cidadania no processo de integração europeia e exerceu um importante papel mediador a favor da paz e da conciliação dos povos", indicou a instituição.



Lusa
  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC