sicnot

Perfil

Mundo

Encontrados restos humanos provenientes do MH17 em zona até agora inacessível

Especialistas holandeses recolheram restos humanos no leste da Ucrânia, numa zona de guerra inacessível às buscas desde a queda, em meados de julho do ano passado, de um Boeing 777 transportando 298 pessoas, provavelmente atingido por um míssil. 

© China Stringer Network / Reut

"A missão conseguiu mais uma vez recuperar restos humanos e objetos pessoais em dois locais", declarou um porta-voz do Ministério da Justiça, Jean Fransman, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Estas novas buscas foram realizadas num local que estava inacessível nas anteriores missões, devido a combates entre os rebeldes separatistas pró-russos e o exército ucraniano. Como a linha da frente se deslocou, o local, em Petropavlika, ficou agora acessível.

Situa-se a dez quilómetros a oeste de Grabove, onde a maioria dos destroços caiu. Como o avião foi abatido a grande altitude, os escombros e os cadáveres ficaram espalhados por uma área bastante vasta.

Foram igualmente conduzidas buscas noutro local.

"Objetos pessoais foram dados aos membros da missão pela população local: tratava-se de joias", precisou o ministério em comunicado.

A Holanda já recolheu, em anteriores missões, muitos restos humanos, objetos pessoais das vítimas e pedaços do avião. Até agora, foram identificados os restos de 296 vítimas.

Interrompidas devido ao inverno, as buscas foram retomadas hoje na zona onde um Boeing 777 da companhia Malaysia Airlines se despenhou a 17 de julho de 2014.

As autoridades holandesas foram encarregadas da investigação sobre as causas do acidente, do inquérito penal sobre a responsabilidade da catástrofe e do processo de identificação das vítimas.

A Ucrânia e os Estados Unidos afirmam que o aparelho foi abatido por um míssil terra-ar fornecido por Moscovo aos separatistas pró-russos. A Rússia desmente e aponta o dedo às forças ucranianas.

Lusa
  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46