sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de jovens marcharam em Auschwitz em memória das vítimas do Holocausto

Cerca de 10 mil jovens, originários de 45 países, participaram esta quinta-feira numa marcha, no local do antigo campo de concentração nazi Auschwitz-Birkenau, no sul da Polónia, em memória dos milhões de vítimas do Holocausto.

A par dos jovens, judeus e não judeus, a XXVII "Marcha dos vivos" reuniu também alguns sobreviventes dos crimes perpetrados pelo regime nazi.

A par dos jovens, judeus e não judeus, a XXVII "Marcha dos vivos" reuniu também alguns sobreviventes dos crimes perpetrados pelo regime nazi.

© Agencja Gazeta / Reuters

A par dos jovens, judeus e não judeus, a XXVII "Marcha dos vivos" reuniu também alguns sobreviventes dos crimes perpetrados pelo regime nazi. 

Desde 1988, mais de 220 mil jovens participaram nestas "Marchas dos vivos", uma "experiência vital" que este ano coincide com o 70.º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial (1939/1945) e que está "marcada pelo crescente antissemitismo na Europa", destacaram os organizadores da iniciativa. 

Num comunicado, o presidente do diretório responsável pela marcha, Shmuel Rosenman, disse que "cada ano que passa são menos os sobreviventes que podem contar a respetiva história", sendo necessário "passar os testemunhos aos participantes para que sejam os testemunhos da próxima geração".

"Se pudesse escolher, preferia não recordar (...) e [esquecer] a humilhação diária, a rotina da morte, a fome, o frio e a paralisante constatação que estamos sozinhos e impotentes", disse Sigmund Rolat, um dos sobreviventes presentes na iniciativa, num discurso emotivo.

Rolat salientou, no entanto, não ter escolha, defendendo a necessidade de recordar estes factos por "solidariedade" e para resgatar a memória daqueles que morreram.

Mas também por "medo", frisou o sobrevivente, para que Auschwitz não se repita no futuro.

Numa mensagem enviada aos participantes e lida durante a marcha, o papa Francisco manifestou o seu apoio a este género de iniciativas que "são contra a morte mas também contra as mil e uma fobias discriminatórias que escravizam e matam".

O pontífice também elogiou a luta "a favor da vida, da igualdade e da dignidade".

Várias personalidades, como foi o caso dos Nobel da Paz Shimon Peres (ex-Presidente israelita) e Elie Wiesel (escritor norte-americano de origem romena e sobrevivente do Holocausto), da apresentadora norte-americana Oprah Winfrey e de vários líderes religiosos de diversas confissões, participaram em marchas anteriores.
Lusa
  • Trezentos sobreviventes voltaram ao campo de concentração de Auschwitz
    3:14

    Mundo

    Há precisamente 70 anos, a 27 de janeiro de 1945, as tropas soviéticas abriam os portões do complexo de Auschwitz-Birkenau, abandonado dias antes pelas derrotadas forças nazis.Cerca de 300 sobreviventes voltaram hoje ao campo de concentração, onde perto de um milhão e meio de pessoas morreu, a esmagadora maioria judeus.

  • Auschwitz foi (só) há 70 anos
    3:44

    SIC Europa

    Esta semana fica marcada pela comemoração dos 70 anos da libertação dos prisioneiros de Auschwitz, o maior campo de concentração nazi.O local onde mais de um milhão de pessoas foram mortas recebeu a visita de familiares das vitimas e de alguns sobreviventes.

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.