sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de jovens marcharam em Auschwitz em memória das vítimas do Holocausto

Cerca de 10 mil jovens, originários de 45 países, participaram esta quinta-feira numa marcha, no local do antigo campo de concentração nazi Auschwitz-Birkenau, no sul da Polónia, em memória dos milhões de vítimas do Holocausto.

A par dos jovens, judeus e não judeus, a XXVII "Marcha dos vivos" reuniu também alguns sobreviventes dos crimes perpetrados pelo regime nazi.

A par dos jovens, judeus e não judeus, a XXVII "Marcha dos vivos" reuniu também alguns sobreviventes dos crimes perpetrados pelo regime nazi.

© Agencja Gazeta / Reuters

A par dos jovens, judeus e não judeus, a XXVII "Marcha dos vivos" reuniu também alguns sobreviventes dos crimes perpetrados pelo regime nazi. 

Desde 1988, mais de 220 mil jovens participaram nestas "Marchas dos vivos", uma "experiência vital" que este ano coincide com o 70.º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial (1939/1945) e que está "marcada pelo crescente antissemitismo na Europa", destacaram os organizadores da iniciativa. 

Num comunicado, o presidente do diretório responsável pela marcha, Shmuel Rosenman, disse que "cada ano que passa são menos os sobreviventes que podem contar a respetiva história", sendo necessário "passar os testemunhos aos participantes para que sejam os testemunhos da próxima geração".

"Se pudesse escolher, preferia não recordar (...) e [esquecer] a humilhação diária, a rotina da morte, a fome, o frio e a paralisante constatação que estamos sozinhos e impotentes", disse Sigmund Rolat, um dos sobreviventes presentes na iniciativa, num discurso emotivo.

Rolat salientou, no entanto, não ter escolha, defendendo a necessidade de recordar estes factos por "solidariedade" e para resgatar a memória daqueles que morreram.

Mas também por "medo", frisou o sobrevivente, para que Auschwitz não se repita no futuro.

Numa mensagem enviada aos participantes e lida durante a marcha, o papa Francisco manifestou o seu apoio a este género de iniciativas que "são contra a morte mas também contra as mil e uma fobias discriminatórias que escravizam e matam".

O pontífice também elogiou a luta "a favor da vida, da igualdade e da dignidade".

Várias personalidades, como foi o caso dos Nobel da Paz Shimon Peres (ex-Presidente israelita) e Elie Wiesel (escritor norte-americano de origem romena e sobrevivente do Holocausto), da apresentadora norte-americana Oprah Winfrey e de vários líderes religiosos de diversas confissões, participaram em marchas anteriores.
Lusa
  • Trezentos sobreviventes voltaram ao campo de concentração de Auschwitz
    3:14

    Mundo

    Há precisamente 70 anos, a 27 de janeiro de 1945, as tropas soviéticas abriam os portões do complexo de Auschwitz-Birkenau, abandonado dias antes pelas derrotadas forças nazis.Cerca de 300 sobreviventes voltaram hoje ao campo de concentração, onde perto de um milhão e meio de pessoas morreu, a esmagadora maioria judeus.

  • Auschwitz foi (só) há 70 anos
    3:44

    SIC Europa

    Esta semana fica marcada pela comemoração dos 70 anos da libertação dos prisioneiros de Auschwitz, o maior campo de concentração nazi.O local onde mais de um milhão de pessoas foram mortas recebeu a visita de familiares das vitimas e de alguns sobreviventes.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51