sicnot

Perfil

Mundo

Putin admite que impor o modelo soviético à Europa de Leste "não foi bom"

O Presidente russo, Vladimir Putin, admitiu hoje que a imposição "pela força" do modelo soviético na Europa de leste após a II Guerra Mundial "não foi nada bom".

© Maxim Shemetov / Reuters

"Depois da II Guerra Mundial tentámos impor o nosso próprio modelo aos países da Europa de leste e fizemo-lo pela força", disse o Presidente russo, na entrevista televisiva anual em que responde a questões de cidadãos russos.

"É preciso reconhecê-lo. Não foi nada bom", acrescentou.

As declarações do Presidente russo foram feitas a poucas semanas do 70.º aniversário da vitória da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) sobre a Alemanha nazi, efeméride que Moscovo vai comemorar a 09 de maio, em cerimónias a que vários dirigentes ocidentais vão faltar devido ao conflito na Ucrânia.

"A escolha (de participar nas cerimónias) é de cada dirigente político. Alguns não querem vir, admito, e outros não têm autorização" dos Estados Unidos, "apesar de muitos deles quererem vir", disse Putin.

O Presidente russo, que no passado considerou bom o pacto germano-soviético de 1939 e classificou o fim da URSS como "a maior tragédia geopolítica do século XX", criticou no entanto hoje a atitude da União Soviética de Estaline após a II Grande Guerra e acusou os Estados Unidos de tentarem fazer o mesmo atualmente.

"Ainda temos ecos" da política soviética do pós-guerra, disse, acrescentando que "os americanos comportam-se aliás mais ou menos da mesma maneira, tentando impor o seu modelo por todo o mundo, e também vão fracassar".



Lusa
  • As vítimas do ataque de Londres

    Ataque em Londres

    O ataque desta quarta-feira ao Parlamento britânico em Londres fez quatro mortos, incluindo o atacante. Cerca de 40 pessoas de 11 países diferentes ficaram feridas, entre as quais 29 precisaram de ser levadas para o hospital, onde sete continuam em estado crítico.

    Ana Rute Carvalho

  • Inclusão social em Évora
    2:08

    País

    Mais de 40 empresas do distrito de Évora abriram as portas durante um dia a pessoas portadoras de deficiência. É ideia foi sublinhar a importância da  inclusão no mercado de trabalho.