sicnot

Perfil

Mundo

Acidente da Germanwings leva administrador da Turkish Airlines a pedir a pilotos que se casem

O administrador da companhia aérea Turkish Airlines instou os pilotos solteiros a casarem-se, depois da queda, em março, de um avião da companhia alemã Germanwings, pela qual é responsabilizado um piloto com problemas psicológicos. 

© Youssef Boudlal / Reuters

O despenhamento do avião da Germanwings nos Alpes franceses, com 150 pessoas a bordo, em 24 de março "ensinou coisas novas, e pilotar é um trabalho muito difícil. O estilo de vida dos pilotos, sejam homens ou mulheres, é muito importante", disse Temel Kotil ao diário turco Hurriyet. 

"O acidente aconteceu depois de a namorada do piloto o ter deixado. Por isso, meus caros amigos, tenham em conta que aconselhamos os nossos pilotos solteiros a casarem-se", acrescentou. 

Informações iniciais sugeriam que o copiloto da Germanwings, Andreas Lubitz, tinha terminado a relação com a namorada, mas isso foi posteriormente desmentido. 

Crê-se que Lubitz, a quem tinham já sido diagnosticadas tendências suicidas, terá intencionalmente conduzido o avião contra a encosta de uma das montanhas alpinas, depois de ter trancado o piloto fora do cockpit. 

Kotil, cuja companhia aérea é uma das que mais rapidamente tem crescido em todo o mundo, admitiu que deveria haver mais mulheres com a função de piloto na Turkish Airlines. 

O administrador indicou que, de entre 86 novos pilotos graduados, só três são mulheres e que existem apenas 40 mulheres pilotos em toda a companhia, que tem 4.000 pilotos.

"Convido todas as mulheres que preencham os requisitos para serem pilotos", acrescentou, fixando como objetivo inicial que haja dez por cento de mulheres entre os pilotos da frota.

Lusa


  • Portugueses divididos na recondução da procuradora-geral da República
    1:31
  • "Os castigos incluiam sovas frequentes e até estrangulamento"
    5:03
  • Teste ao sangue deteta oito tipos de cancro

    Mundo

    Um novo teste sanguíneo experimental permitiu detetar precocemente os oito cancros mais frequentes em 70 por cento dos casos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature feito por investigadores nos Estados Unidos.