sicnot

Perfil

Mundo

ONU "extremamente preocupada" com violência xenófoba na África do Sul

A agência da ONU para os Refugiados (ACNUR) manifestou-se hoje "extremamente preocupada" com a violência xenófoba na África do Sul e as condições de abrigo das vítimas dos ataques, que causaram seis mortos e abandono de cinco mil emigrantes.

© Philimon Bulawayo / Reuters

Em nota hoje divulgada, a agência das Nações Unidas refere que "está extremamente preocupada" com a situação, apesar de saudar os esforços do Governo para conter a onda de xenofobia na África do Sul, por garantir que "tentaria conter a situação e prestar assistência" às vítimas.  

Na quinta-feira, o Presidente sul-africano, Jacob Zuma, lançou um apelo à calma, tendo afirmado que "nenhum nível de frustração ou de raiva pode justificar ataques contra os cidadãos estrangeiros ou a pilhagem das suas lojas".

Falando hoje aos jornalistas, o porta-voz do ACNUR em Genebra, Adrian Edwards, estimou que os incidentes violentos que afetam as cidades sul-africanas de Durban e Joanesburgo causaram "seis mortos e desalojou mais de 5.000 estrangeiros".

O chefe de Estado sul-africano comprometeu-se a "fazer tudo o que puder para proteger os cidadãos estrangeiros no país e reafirmou o seu compromisso para com os refugiados e requerentes de asilo, em conformidade com a lei e protocolos internacionais", disse Adrian Edwards.

O porta-voz do ACNUR lembrou que a agência havia sido contactada por refugiados que estavam com medo de ser alvejados.

Uma equipa do ACNUR foi enviada para a cidade costeira de Durban para avaliar a situação e identificar os apoios necessários a dar aos parceiros governamentais e da sociedade civil que estão a tentar dar resposta às vítimas. 

Centenas de estrangeiros estão albergados em quatro centros de deslocados estabelecidos pelo Centro de Gestão de Desastres local, mas diariamente o número de requerentes tem aumentado.

Um número indeterminado de pessoas procurou refúgio em estabelecimentos religiosos, nomeadamente mesquitas e igrejas.

Em alguns locais estão albergadas cerca de 1.400 pessoas, a maioria homens solteiros, mas os asilados do sexo masculino estão separados das mulheres e crianças, cujo número não foi especificado pelo ACNUR.

"Em Isipingo, existem cerca de 300 pessoas, e em Greenwood Park outro 450. Na quinta-feira, cerca de 1.500 pessoas deslocadas foram transferidas para um novo e maior centro em Phoenix. Em algumas comunidades, as condições de abrigo são das mais básicas e é necessário prover condições sanitárias e de saúde adequados", refere o ACNUR.

Esta madrugada chegaram a Boane, província de Maputo, os primeiros 107 moçambicanos que foram repatriados da África do Sul fugindo da violência xenófoba. 

Segundo fonte oficial, há pelo menos 600 moçambicanos refugiados em campos em Durban, localidade sul-africana mais afetada pela violência xenófoba, sendo que a maioria manifestou o desejo de ser repatriada para Moçambique. 


Lusa
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.