sicnot

Perfil

Mundo

Wikileaks divulga documentos e correio eletrónico da Sony Pictures

O Wikileaks, o portal dirigido por Julian Assange, divulgou hoje na Internet todos os documentos e correio eletrónico da Sony Pictures que foram supostamente pirateados por 'hackers' norte-coreanos.

© Tim Chong / Reuters

A base de dados publicada pelo Wikileaks inclui mais de 30 mil documentos, 173 mil mensagens de email e 2.200 endereços de email da Sony Pictures, a filial cinematográfica do gigante tecnológico japonês.

Em comunicado, o fundador do Wikileaks, Julian Assange, assegurou que a informação é "noticiosa e o centro de um conflito geopolítico e pertence ao domínio público", já que mostra o "funcionamento interno de um consórcio internacional".

Também em comunicado, a Sony criticou a divulgação de informação privada, salientando que foi obtida através de um "ato criminoso".

A pirataria informática na Sony começou o ano passado e, segundo o Governo norte-americano, foi da responsabilidade de piratas informáticos norte-coreanos em represália contra a estreia do filme "The Interview", que satiriza o líder da Coreia da Norte, Kim Jong-un.

Os documentos revelados pelo Wikileaks revelam detalhes da estratégia de pressão pública da Sony, as suas relações com políticos e estratégias em relação à concorrência.

Lusa
  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.