sicnot

Perfil

Mundo

Presidente sul-africano cancela deslocação devido à onda de violência no país

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, cancelou este sábado uma visita à Indonésia "para se ocupar de problemas domésticos" relacionados com a violência contra estrangeiros no país, informou o gabinete do chefe de Estado.

Zuma deveria deslocar-se hoje à Indonésia para participar na Cimeira África Ásia que comemora o acordo de Bandung de 1955, em que os líderes dos dois continentes impulsionaram os movimentos de libertação e autodeterminação. (Arquivo)

Zuma deveria deslocar-se hoje à Indonésia para participar na Cimeira África Ásia que comemora o acordo de Bandung de 1955, em que os líderes dos dois continentes impulsionaram os movimentos de libertação e autodeterminação. (Arquivo)

© POOL New / Reuters

A polícia, na região do KwaZulu-Natal informou hoje que deteve 78 pessoas supostamente envolvidas em atos de violência racista que já fizeram pelo menos seis mortos nas últimas duas semanas.

Zuma deveria deslocar-se hoje à Indonésia para participar na Cimeira África Ásia que comemora o acordo de Bandung de 1955, em que os líderes dos dois continentes impulsionaram os movimentos de libertação e autodeterminação.

Jacob Zuma vai ser substituído pelo vice-presidente Cyril Ramaphosa no encontro internacional que vai decorrer na Indonésia.

Hoje, o presidente sul-africano deve visitar os estrangeiros que foram obrigados a abandonar os locais onde residiam e que se encontram num acampamento em Chatsworth, Durban.

O chefe de Estado voltou a condenar os ataques contra os estrangeiros, incluindo cidadãos moçambicanos, e pediu à polícia para continuar a trabalhar "dia e noite, proteger as populações" e para prender os responsáveis.

As últimas informações das autoridades de Moçambique indicam que 107 moçambicanos, incluindo 21 crianças, regressaram a Moçambique na sexta-feira e foram instalados num campo em Boane, província de Maputo, repatriados da África do Sul devido à onda de violência xenófoba.

Entretanto, mais de cem pessoas manifestaram-se hoje em Maputo contra a onda de violência na África do Sul, numa marcha que teve terminou junto à Embaixada sul-africana na capital moçambicana.

A manifestação, organizada por membros da sociedade civil, iniciou-se às primeiras horas da manhã na avenida Eduardo Mondlane, quando dezenas de pessoas se reuniram em frente ao edifício da Eletricidade de Moçambique, e prosseguiu pelo centro da capital moçambicana de modo pacífico.
Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.