sicnot

Perfil

Mundo

Oito elementos da claque do Corinthians foram mortos a tiro

Um grupo de homens armados matou este domingo a tiro oito elementos de uma claque do Corinthians, um dos clubes de futebol mais populares no Brasil, informou a polícia.

As oito vítimas mortais eram adeptos do Corinthians, de acordo com a mesma fonte, que disse não ter indícios do autor do ataque. (Arquivo)

As oito vítimas mortais eram adeptos do Corinthians, de acordo com a mesma fonte, que disse não ter indícios do autor do ataque. (Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

O ataque ocorreu durante a madrugada, em frente à sede do grupo, em frente ao qual as autoridades se depararam com sete cadáveres, enquanto o outro homem foi encontrado ferido e transportado para um hospital, tendo morrido entretanto, acrescentou um porta-voz da polícia militarizada de São Paulo à agência EFE.

As oito vítimas mortais eram adeptos do Corinthians, de acordo com a mesma fonte, que disse não ter indícios do autor do ataque.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, a ação foi perpetrada por dois homens que irromperam na sede do grupo durante uma confraternização, tendo ordenado às vítimas que se deitassem no chão, antes de as alvejarem com tiros na cabeça.

Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.