sicnot

Perfil

Mundo

Primeira ponte ferroviária sino-russa estará concluída no final de 2016

A construção da primeira ponte ferroviária entre a China e a Rússia, com 2,2 quilómetros de extensão, "avança com rapidez", devendo estar concluída no final de 2016, anunciou hoje a imprensa oficial chinesa.

© Jo Yong hak / Reuters

A ponte, com uma capacidade de transporte de 21 milhões de toneladas por ano, atravessará o rio Heilongjiang (Amur, em russo) entre Tongjiang a Nizhneleninskoye, na secção oriental da longa fronteira sino-russa.

Segundo a imprensa local, a China tenciona investir no projeto 2.640 milhões de yuan (400 milhões de euros).

O objetivo é "desenvolver o comércio, os transportes e o turismo entre os dois países".

China e Rússia partilham uma fronteira com cerca 4.200 quilómetros de extensão.

As duas economias são consideradas "largamente complementares", sobertudo no domínio energético, e no plano político, devido às tensões com os governos ocidentais, Pequim e Moscovo estão também cada vez mais próximos.


Lusa
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.