sicnot

Perfil

Mundo

Barack Obama alerta para os perigos das alterações climáticas

O Presidente dos EUA, Barack Obama, disse hoje que as alterações climáticas "não podem ser negadas", durante uma visita ao Parque Nacional das Everglades, na Flórida, iniciativa que visa elevar a consciência dos perigos associados a estas mudanças.

© Jonathan Ernst / Reuters

Obama passou o Dia da Terra nesta imensidão subtropical para reforçar os avisos de que um planeta mais quente significa "tempestades mais fortes" e "secas mais intensas", que ameaçam tanto a economia como os ecossistemas. 

"As alterações climáticas já não podem ser negadas. Não podem ser maquilhadas. Não podem ser omitidas das conversas", disse Obama, quando se aproxima um período crucial para determinar o que vai ser o leu legado ambiental. 

Enquanto defendia que os parques nacionais têm de ser protegidos para as suas filhas e as futuras gerações, Obama também sublinhou que as alterações climáticas estão a ter um impacto económico. 

A subida do nível do mar nas Everglades ameaça a indústria do turismo no Estado da Florida, quantificada em 82 mil milhões de dólares (76 mil milhões de euros), adiantando que cada dólar dos contribuintes investido nos parques nacionais gera um retorno de dez dólares para o conjunto da economia. 

Muitos dos seus adversários republicanos apontam o custo económico do combate às alterações climáticas como uma razão para o seu ceticismo com estas.

Obama solicitou aos seus adversários que assumissem uma abordagem comum com os democratas, exemplificando com os Presidentes republicanos Theodore Roosevelt e Richard Nixon, uma vez que aquele protegeu a agência dos Parques Naturais e este criou a da Proteção Ambiental. 

Em dezembro, a Organização das Nações Unidas vai organizar em Paris uma cimeira da qual se espera que resulte um acordo vinculativo para reduzir a emissão dos gases com efeito de estufa. 



Lusa
  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.