sicnot

Perfil

Mundo

China está a viver uma "revolução sexual", diz a socióloga Li Yinhe

Mais de 70% dos chineses têm relações sexuais antes de casar, rompendo com a milenar "cultura de abstinência" que dominou a China até ao final da década de 1970.

HOW HWEE YOUNG

De acordo com um estudo de Li Yinhe, investigadora reformada da Academia Chinesa de Ciências Sociais, aquela percentagem subiu de 15% para 71% durante os últimos 25 anos.

"Isto é uma revolução sexual tranquila", afirma a socióloga. "As pessoas passaram a falar sobre sexo mais abertamente".

Li Yinhe, 63 anos, é considerada "a primeira sexóloga da China".

Num recente encontro com jornalistas estrangeiros, Li Yinhe situou o início da referida revolução em 1977, "o ano da revisão do Código Penal, que descriminalizou as relações extraconjugais". 

Uma mulher que mantivesse relações sexuais com vários homens podia ser condenada e presa, contou a socióloga. 

Na China antiga, "as pessoas eram muito positivas em relação ao sexo", mas desde a dinastia Song (960-1279) até à "Grande Revolução Cultural Proletária (1966-76) predominou "uma cultura de abstinência sexual". 

O Partido Comunista Chinês (PCC), que tomou o poder em 1949, "era, em muitos aspetos, parecido com a igreja cristã" e "associava o sexo à burguesa e ao capitalismo", sustenta a socióloga.

"Para os comunistas, a prioridade era alimentar a população. A comida, em primeiro lugar. Um das primeiras medidas que tomaram foi fechar os bordéis", disse.

"É verdade que, para quem tem uma vida muito dura, o sexo é um luxo. Mas as pessoas, hoje, já têm a barriga cheia e o sexo passou a ser uma necessidade corrente", acrescentou.

O PCC, entretanto, renunciou ao "aprofundamento da luta de classes" e sem abdicar do seu "papel dirigente", adotou uma nova política, focada no desenvolvimento económico.

Em apenas três décadas, a pobre e isolada China tornou-se a segunda economia mundial, ultrapassando o Japão e a Alemanha. Mais de 650 milhões de chineses usam a internet, 80% dos quais através de smartphones e outros dispositivos móveis.  

"Muitas coisas mudaram", salienta Li Yinhe. "A comunidade 'gay' tornou-se mais visível e a sociedade chinesa tem-se mostrado bastante tolerante acerca da homossexualidade". 

A homossexualidade foi retirada da lista oficial de "perturbações mentais" em 2001, mas a socióloga considera que, neste domínio, continuam em vigor "leis absurdas e ultrapassadas".

Li Yinhe defende a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo e a "descriminalização da prostituição, da pornografia e do sexo em grupo".

"Além da Coreia do Norte, não conheço outro país que tenha uma lei como esta", disse a sexóloga acerca da proibição da pornografia.

Quanto à legalização da prostituição, argumentou que "todas as relações consentidas entre adultos devem deixar de ser punidas pela lei, quer haja ou não dinheiro envolvido".

"As amantes e concubinas dos ricos, que eles sustentam como símbolos do seu sucesso e poder, não são punidas", observou.

Nas décadas de 1960 e 1970, Li Yinhe estaria provavelmente detida num "campo de reeducação através do trabalho", acusada de promover "ideias decadentes" e "contrarrevolucionárias".

Em dezembro passado, a socióloga assumiu que tem há 17 anos uma relação amorosa com um transexual e vivem juntos com uma criança deficiente adotada.

"O meu companheiro nasceu mulher, mas identifica-se como homem e só consegue apaixonar-se por mulheres heterossexuais e não por mulheres homossexuais", escreveu Li Yinhe na sua conta no Sina Weibo, o "twitter chinês".

Foi uma "confissão" sem precedentes nos meios intelectuais chineses e, logo nas primeiras 24 horas, atraiu mais de 200.000 leitores.

"Toda a gente é, de alguma forma, única. Respeitar as escolhas das Li Yinhe que vivem entre nós é respeitarmo-nos a nos próprios", comentou na altura o Diário do Povo, órgão central do PCC.

Lusa
  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.