sicnot

Perfil

Mundo

Detido suspeito de planear "atentados iminentes" contra igrejas em França

O  ministro do Interior francês revelou hoje que foi detido, no domingo, nos arredores de Paris, um homem que tinha "planos iminentes" para perpetrar um atentado contra uma ou duas igrejas e armamento para o levar a cabo.

© Stephane Mahe / Reuters

O suspeito, um estudante de informática de 24 anos, "projetava a execução iminente de um atentado contra uma ou duas igrejas" e, aparentemente, tinha a intenção de viajar em seguida para a Síria, disse Bernard Cazeneuve. 

Na sua casa e no seu veículo foi encontrado um "arsenal" composto por armas de guerra, pistolas, munições, material informático e de comunicações.

Segundo Bernard Cazeneuve, também é suspeito de ter estado envolvido na morte de uma jovem de 32 anos, encontrada sem vida no interior de uma viatura, no domingo passado, em Villejuif, perto da capital.
  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.