sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry diz que alterações climáticas ameaçam saúde humana e produção de alimentos

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, advertiu hoje que as alterações climáticas são uma ameaça para a saúde humana e a produção alimentar e que "a solução" passa por alterar a política energética.

© Yuri Gripas / Reuters

"A solução para as alterações climática está a olhar para nós. É a política energética (...). Se não as enfrentarmos, são uma ameaça urgente para a nossa saúde e o fornecimento de alimentos", considerou Kerry, em comunicado difundido pelo Departamento de Estado, a propósito do Dia Mundial da Terra. 

O chefe da diplomacia norte-americana, que fez da luta contra as alterações climáticas um dos elementos chave da sua atividade, indicou que, "se se apostar em uma economia global limpa, pode-se reduzir em muito as emissões de carbono para a atmosfera e prevenir os piores efeitos das alterações climáticas".  

"O nosso mundo está a mudar de uma forma fundamental", afirmou Kerry, que destacou que os anos mais quentes desde que há registo ocorreram desde o ano 2000, com o mais quente a ser o de 2014. 

A este propósito, disse que as medidas adotadas pelo governo dos EUA foram "as mais ambiciosas da história" do país.

Entre estas, mencionou o aumento da exigência de eficácia para os automóveis, a proposta de redução de emissões de novas e velhas centrais elétricas e a promoção das energias renováveis, como a solar e a eólica. 

Não obstante, Kerry reconheceu que "nenhum país pode resolver o desafio do clima por si só", pelo que apelou à comunidade internacional para conseguir um acordo "significativo" na Conferência do Clima, que a Organização das Nações Unidas vai realizar em Paris, em dezembro.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48