sicnot

Perfil

Mundo

Obama propõe acordo com a China em matéria nuclear para os próximos 30 anos

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, propôs, esta terça-feira, ao Congresso um acordo de cooperação com a China em matéria nuclear, com fins pacíficos, que se estenderia durante os próximos 30 anos.

© Petar Kujundzic / Reuters

A proposta, enviada ao Congresso norte-americano e divulgada pela Casa Branca, prevê a transferência de material entre as duas maiores potências mundiais, assim como de equipamento, (incluindo reatores), componentes, informação e tecnologia para a investigação nuclear e a produção de energia.

"O acordo proposto prevê um quadro abrangente para a cooperação nuclear pacífica com a China baseado no mútuo compromisso com a não-proliferação", realçou Barack Obama, no documento.

O acordo teria uma duração de 30 anos, a contar da data de entrada em vigor, no caso de aceite por ambas as partes, podendo ser anulado, por qualquer uma delas, através de um aviso escrito com um ano de antecedência. 

O Presidente dos Estados Unidos assinou a proposta, cabendo agora ao Congresso analisar e discutir os termos do eventual acordo.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.