sicnot

Perfil

Mundo

PM italiano diz que gestão do asilo aos imigrantes deve ser feita pela UE

 O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, disse hoje que vai propor ao Conselho Europeu extraordinário sobre a imigração, na quinta-feira, que os procedimentos para a concessão de asilo sejam geridos a nível europeu. 

© Max Rossi / Reuters

"É importante que os procedimentos do asilo sejam geridos por uma equipa europeia e pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, Trata-se de uma herança não só de um país, mas dos 28" membros da União Europeia (UE), afirmou Renzi, na câmara dos deputados de Itália.

No seu discurso, Renzi reconheceu que, pela primeira vez, não viraram as costas à Itália na questão da imigração, mas recordou que "fazem falta decisões políticas na Europa" para resolver o problema.

O primeiro-ministro italiano reiterou que o que está a acontecer no Mediterrâneo é "uma forma moderna de escravidão" e que a "Europa não pode deixar só a Itália nesta batalha de civismo".

"Precisamos dar uma resposta política ao problema e não confiar só na reação emocional. Ou existe a capacidade de dar uma resposta articulada ou não vamos a parte alguma", acrescentou Renzi.

O primeiro-ministro pediu para pensarem em África e, em particular, numa estratégia, não só imediata, mas também a longo prazo, pois "é dali que chegam as pessoas que morrem no Mediterrâneo".

"A primeira questão é entender se África será o elemento chave da política italiana e mundial", acrescentou.

Renzi referiu ainda que a comunidade internacional "tem que dividir a responsabilidade de assegurar a proteção para os imigrantes e refugiados que atravessam o Mediterrâneo" e citou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmando que "é necessário um mecanismo eficaz de socorro no mar".

Assim, assinalou que é necessário que se desencoraje a saída destas pessoas dos seus países de origem, dizendo que é preciso uma "forte presença das organizações internacionais na área do sul da Líbia".

Renzi também proferiu palavras duras contra alguns partidos como a Liga Norte, sem citá-los, que nos últimos tempos tem criticado o Governo italiano pela sua gestão da imigração.

"É muito fácil dizer: `todos para casa´ ou `acolhemos todos´", disse Renzi, que criticou aqueles que se estão a aproveitar do problema para "fazer demagogia".

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.