sicnot

Perfil

Mundo

PM italiano diz que gestão do asilo aos imigrantes deve ser feita pela UE

 O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, disse hoje que vai propor ao Conselho Europeu extraordinário sobre a imigração, na quinta-feira, que os procedimentos para a concessão de asilo sejam geridos a nível europeu. 

© Max Rossi / Reuters

"É importante que os procedimentos do asilo sejam geridos por uma equipa europeia e pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, Trata-se de uma herança não só de um país, mas dos 28" membros da União Europeia (UE), afirmou Renzi, na câmara dos deputados de Itália.

No seu discurso, Renzi reconheceu que, pela primeira vez, não viraram as costas à Itália na questão da imigração, mas recordou que "fazem falta decisões políticas na Europa" para resolver o problema.

O primeiro-ministro italiano reiterou que o que está a acontecer no Mediterrâneo é "uma forma moderna de escravidão" e que a "Europa não pode deixar só a Itália nesta batalha de civismo".

"Precisamos dar uma resposta política ao problema e não confiar só na reação emocional. Ou existe a capacidade de dar uma resposta articulada ou não vamos a parte alguma", acrescentou Renzi.

O primeiro-ministro pediu para pensarem em África e, em particular, numa estratégia, não só imediata, mas também a longo prazo, pois "é dali que chegam as pessoas que morrem no Mediterrâneo".

"A primeira questão é entender se África será o elemento chave da política italiana e mundial", acrescentou.

Renzi referiu ainda que a comunidade internacional "tem que dividir a responsabilidade de assegurar a proteção para os imigrantes e refugiados que atravessam o Mediterrâneo" e citou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmando que "é necessário um mecanismo eficaz de socorro no mar".

Assim, assinalou que é necessário que se desencoraje a saída destas pessoas dos seus países de origem, dizendo que é preciso uma "forte presença das organizações internacionais na área do sul da Líbia".

Renzi também proferiu palavras duras contra alguns partidos como a Liga Norte, sem citá-los, que nos últimos tempos tem criticado o Governo italiano pela sua gestão da imigração.

"É muito fácil dizer: `todos para casa´ ou `acolhemos todos´", disse Renzi, que criticou aqueles que se estão a aproveitar do problema para "fazer demagogia".

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.