sicnot

Perfil

Mundo

PM italiano diz que gestão do asilo aos imigrantes deve ser feita pela UE

 O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, disse hoje que vai propor ao Conselho Europeu extraordinário sobre a imigração, na quinta-feira, que os procedimentos para a concessão de asilo sejam geridos a nível europeu. 

© Max Rossi / Reuters

"É importante que os procedimentos do asilo sejam geridos por uma equipa europeia e pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, Trata-se de uma herança não só de um país, mas dos 28" membros da União Europeia (UE), afirmou Renzi, na câmara dos deputados de Itália.

No seu discurso, Renzi reconheceu que, pela primeira vez, não viraram as costas à Itália na questão da imigração, mas recordou que "fazem falta decisões políticas na Europa" para resolver o problema.

O primeiro-ministro italiano reiterou que o que está a acontecer no Mediterrâneo é "uma forma moderna de escravidão" e que a "Europa não pode deixar só a Itália nesta batalha de civismo".

"Precisamos dar uma resposta política ao problema e não confiar só na reação emocional. Ou existe a capacidade de dar uma resposta articulada ou não vamos a parte alguma", acrescentou Renzi.

O primeiro-ministro pediu para pensarem em África e, em particular, numa estratégia, não só imediata, mas também a longo prazo, pois "é dali que chegam as pessoas que morrem no Mediterrâneo".

"A primeira questão é entender se África será o elemento chave da política italiana e mundial", acrescentou.

Renzi referiu ainda que a comunidade internacional "tem que dividir a responsabilidade de assegurar a proteção para os imigrantes e refugiados que atravessam o Mediterrâneo" e citou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmando que "é necessário um mecanismo eficaz de socorro no mar".

Assim, assinalou que é necessário que se desencoraje a saída destas pessoas dos seus países de origem, dizendo que é preciso uma "forte presença das organizações internacionais na área do sul da Líbia".

Renzi também proferiu palavras duras contra alguns partidos como a Liga Norte, sem citá-los, que nos últimos tempos tem criticado o Governo italiano pela sua gestão da imigração.

"É muito fácil dizer: `todos para casa´ ou `acolhemos todos´", disse Renzi, que criticou aqueles que se estão a aproveitar do problema para "fazer demagogia".

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.