sicnot

Perfil

Mundo

PM neozelandês pede desculpa à mulher a quem puxou o cabelo

O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, pediu publicamente desculpa à empregada de um café por ter, repetidamente, puxado o seu cabelo. A perseguição começou o ano passado, durou alguns meses e foi relatada, pela mulher, num blogue australiano. 

© Nigel Marple / Reuters

Viviam-se tempos de campanha eleitoral. Jonh Key perseguia o terceiro mandato, como primeiro-ministro, e, sabe-se agora, uma empregada de um café de Auckland, que quer permanecer anónima. Chamemos-lhe C. 
 
 
A primeira vez que John Key lhe puxou o cabelo, C. estava longe de imaginar, que esta história ia fazer correr tanta tinta. Achou tratar-se de uma brincadeira, já que todos diziam, em uníssono: "John Key é homem muito simpático". 
 
 
O problema começou quando C. percebeu que, este comportamento, estava para durar. Sempre que o, na altura, candidato a primeiro-ministro, aparecia no café, aproveitava o facto de estar de costas, para lhe puxar o cabelo.  
 

Apesar de não lhe ter dito ''verbalmente'', C. explica no  blogue, onde escreveu a sua história, que "a minha expressão corporal gritava: eu não gosto que me faça isso". 
 
 
Nem assim. Nada o parou. Nem mesmo os pedidos da mulher, que o costumava acompanhar, nessas visitas ao café, mesmo depois de ter ganho as eleições, em novembro de 2014. "Que rabo de cavalo tentador" dizia John Key, conta C. no seu blogue. 
 
"Senti-me humilhada", explica. Chegou a publicar comentários no Facebook do Partido Nacional e na página pessoal do primeiro-ministro a pedir: "pare de puxar o meu cabelo, eu não gosto disso". De nada lhe valeu. 
 
Começou a evitá-lo. Quando o via, e ao seu staff , escondia-se, ou encostava-se à parede, para evitar qualquer contacto. 
 
Em março, deste ano, chegou a ameaçar o primeiro-ministro que o esbofeteava caso se atrevesse a puxar mais uma vez os seus cabelos. Dias depois, Jonh Key apareceu no café com duas garrafas de vinho tinto e pediu desculpa.  
 
 
O gabinete do primeiro-ministro neozelandês confirma a história. Em comunicado, explica que Jonh Key apenas "quis ser divertido,  numa teve intenção de a deixar desconfortável e pediu desculpa".   
 
 
Garante ainda ter uma ótima relação com o staff do café e que é hábito brincarem, dizerem umas piadas e pregarem partidas. 
 
 
O público, nas redes sociais, não poupa críticas ao primeiro-ministro. A oposição neozelandesa também não. A líder do Partido Verde diz que "como políticos a nossa missão é fazer as pessoas sentirem-se seguras nos seus locais de trabalho e não perseguidos". 
 
 
C. já veio dizer que não gosta de vinho tinto. Aceitou as garrafas apenas para ter provas da perseguição de que foi alvo. Remata, o texto no blogue dizendo que Jonh Key "precisa que alguém o lembre que não é Deus, é apenas um homem!" 
  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de 4 anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

    Em atualização

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.