sicnot

Perfil

Mundo

PM neozelandês pede desculpa à mulher a quem puxou o cabelo

O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, pediu publicamente desculpa à empregada de um café por ter, repetidamente, puxado o seu cabelo. A perseguição começou o ano passado, durou alguns meses e foi relatada, pela mulher, num blogue australiano. 

© Nigel Marple / Reuters

Viviam-se tempos de campanha eleitoral. Jonh Key perseguia o terceiro mandato, como primeiro-ministro, e, sabe-se agora, uma empregada de um café de Auckland, que quer permanecer anónima. Chamemos-lhe C. 
 
 
A primeira vez que John Key lhe puxou o cabelo, C. estava longe de imaginar, que esta história ia fazer correr tanta tinta. Achou tratar-se de uma brincadeira, já que todos diziam, em uníssono: "John Key é homem muito simpático". 
 
 
O problema começou quando C. percebeu que, este comportamento, estava para durar. Sempre que o, na altura, candidato a primeiro-ministro, aparecia no café, aproveitava o facto de estar de costas, para lhe puxar o cabelo.  
 

Apesar de não lhe ter dito ''verbalmente'', C. explica no  blogue, onde escreveu a sua história, que "a minha expressão corporal gritava: eu não gosto que me faça isso". 
 
 
Nem assim. Nada o parou. Nem mesmo os pedidos da mulher, que o costumava acompanhar, nessas visitas ao café, mesmo depois de ter ganho as eleições, em novembro de 2014. "Que rabo de cavalo tentador" dizia John Key, conta C. no seu blogue. 
 
"Senti-me humilhada", explica. Chegou a publicar comentários no Facebook do Partido Nacional e na página pessoal do primeiro-ministro a pedir: "pare de puxar o meu cabelo, eu não gosto disso". De nada lhe valeu. 
 
Começou a evitá-lo. Quando o via, e ao seu staff , escondia-se, ou encostava-se à parede, para evitar qualquer contacto. 
 
Em março, deste ano, chegou a ameaçar o primeiro-ministro que o esbofeteava caso se atrevesse a puxar mais uma vez os seus cabelos. Dias depois, Jonh Key apareceu no café com duas garrafas de vinho tinto e pediu desculpa.  
 
 
O gabinete do primeiro-ministro neozelandês confirma a história. Em comunicado, explica que Jonh Key apenas "quis ser divertido,  numa teve intenção de a deixar desconfortável e pediu desculpa".   
 
 
Garante ainda ter uma ótima relação com o staff do café e que é hábito brincarem, dizerem umas piadas e pregarem partidas. 
 
 
O público, nas redes sociais, não poupa críticas ao primeiro-ministro. A oposição neozelandesa também não. A líder do Partido Verde diz que "como políticos a nossa missão é fazer as pessoas sentirem-se seguras nos seus locais de trabalho e não perseguidos". 
 
 
C. já veio dizer que não gosta de vinho tinto. Aceitou as garrafas apenas para ter provas da perseguição de que foi alvo. Remata, o texto no blogue dizendo que Jonh Key "precisa que alguém o lembre que não é Deus, é apenas um homem!" 
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.