sicnot

Perfil

Mundo

Papa Francisco visita Cuba em setembro

O papa Francisco visitará Cuba durante a próxima viagem aos Estados Unidos, prevista para finais de setembro, anunciou hoje o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi. 

Gregorio Borgia

Numa breve declaração, Lombardi explicou que a viagem deve-se ao convite das autoridades civis e dos bispos cubanos, sendo a primeira etapa da deslocação que levará Francisco aos Estados Unidos, nomeadamente a Washington, Nova Iorque e Filadélfia. 

A visita de Francisco a Cuba estava a ser avaliada, na sequência do trabalho da diplomacia vaticana na aproximação histórica entre Havana e Washington, de acordo com o serviço de imprensa do Vaticano. 

O secretário de Estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, participou na passada VII cimeira das Américas, no Panamá, à qual assistiram também os presidentes de Cuba, Raul Castro, e dos Estados Unidos, Barack Obama.

A partir de hoje e até 28 de abril, o prefeito da Congregação para o Clero, o cardeal italiano Beniamino Stella, vai estar em Cuba. Stella foi núncio papal na ilha de 1993 a 1999. 

Cuba e o Vaticano celebram este ano o 80.º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas. Em março de 2012, Bento XVI visitou a ilha, tal como João Paulo II tinha feito 14 anos antes.

Depois de Cuba, o papa vai reunir-se na Casa Branca com Obama, a 23 de setembro, e discursar na assembleia-geral da ONU, em Nova Iorque. 

A visita termina em Filadélfia, onde Jorge Bergoglio participa no Encontro Mundial das Famílias, organizado pela Igreja Católica. 

Na terça-feira, Francisco aceitou a demissão do bispo de Kansas City (Missouri), Robert Finn, de 62 anos, condenado nos Estados Unidos por não ter denunciado um padre pedófilo, indicou o Vaticano. 

Esta medida era há muito reclamada pelas associações de antigas vítimas de padres nos Estados Unidos, como a rede SNAP. 

É provável que esta demissão tenha sido exigida pelo Vaticano, em conformidade com as orientações de "tolerância zero" definidas por Francisco, relativamente aos escândalos na Igreja Católica. 

O Vaticano está a preparar medidas jurídicas sobre a questão da "responsabilidade" dos superiores que deixam padres pedófilos atuar, ou que os protegem. 

Este dossier da "responsabilização" foi debatido, em meados deste mês, na presença do papa pelo Conselho de nove Cardeais ("C9"), que aconselha Francisco. O "C9" reconheceu que as regras "não eram suficientemente claras para resolver este tipo de problemas" e pediu novos procedimentos, que vão ser elaborados. 

Lusa

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.