sicnot

Perfil

Mundo

Um ano após naufrágio Coreia do Sul há um plano para resgatar ''ferry''

A Coreia do Sul anunciou hoje um plano para resgatar o ''ferry'' Sewol do fundo do mar, um ano depois do naufrágio que fez mais de 300 mortos, na sua maioria, estudantes.

© POOL New / Reuters

Trazer o ''ferry'' à superfície tem sido um dos principais pedidos dos familiares das vítimas, que impulsionaram a sua campanha nesse sentido nas últimas semanas, organizando uma série de protestos de grande escala durante os quais agentes da polícia antimotim recorreram ao uso de canhões de água e gás pimenta.

O Ministério da Segurança Pública afirmou que a operação para a retirada do 'ferry' deverá ser lançada em setembro, ao largo da ilha de Jindo, onde o Sewol se afundou a 16 de abril de 2014.

O navio de 6.825 toneladas encontra-se a 40 metros de profundidade, pelo que trazê-lo à superfície constitui um grande desafio técnico.

O ministério estima que a operação -- que pode demorar até um ano e meio -- represente um custo de entre 90 e 140 milhões de dólares.

"Vamos tomar exaustivas medidas a fim de não perder os corpos dos desaparecidos", disse o ministro dos transportes marítimos Yoo Ki-June em conferência de imprensa.

A bordo do Sewol seguiam 476 pessoas, incluindo 325 estudantes. No total, foram recuperados das águas 295 corpos, faltando resgatar nove.

Yoo Ki-June afirmou que o ministério dos transportes marítimos vai lançar de imediato o concurso para selecionar a empresa à qual será adjudicada a operação de resgate do barco.

"Uma vez selecionada a empresa, um plano detalhado (...) vai ser apresentado ao longo dos próximos três meses", disse.


Lusa


  • Mação volta a enfrentar dias de pânico
    3:33
  • Fogo obrigou à evacuação de 6 aldeias do concelho do Sardoal
    1:56

    País

    O incêndio que chegou ao Sardoal obrigou à evacuação de seis aldeias. As pessoas foram encaminhadas para as instalações da Santa Casa da Misericórdia e vão regressando ao longo do dia de hoje. A A23 foi reaberta de madrugada, depois de ter estado várias horas cortada nos dois sentidos .

  • Ministra admite que a maioria dos incêndios começaram por mão humana
    1:57

    País

    A Ministra da Administração Interna admitiu esta quarta-feira que a maioria dos incêndios deste ano começaram por mão humana, mas Constança Urbano de Sousa entende que é cedo para tirar outras conclusões. Já o vice-presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Adelino Gomes, diz que não há duvidas e fala em terrorismo organizado. 

  • Sismo na região de Lisboa sentido num raio de 150km
    3:19