sicnot

Perfil

Mundo

Um ano após naufrágio Coreia do Sul há um plano para resgatar ''ferry''

A Coreia do Sul anunciou hoje um plano para resgatar o ''ferry'' Sewol do fundo do mar, um ano depois do naufrágio que fez mais de 300 mortos, na sua maioria, estudantes.

© POOL New / Reuters

Trazer o ''ferry'' à superfície tem sido um dos principais pedidos dos familiares das vítimas, que impulsionaram a sua campanha nesse sentido nas últimas semanas, organizando uma série de protestos de grande escala durante os quais agentes da polícia antimotim recorreram ao uso de canhões de água e gás pimenta.

O Ministério da Segurança Pública afirmou que a operação para a retirada do 'ferry' deverá ser lançada em setembro, ao largo da ilha de Jindo, onde o Sewol se afundou a 16 de abril de 2014.

O navio de 6.825 toneladas encontra-se a 40 metros de profundidade, pelo que trazê-lo à superfície constitui um grande desafio técnico.

O ministério estima que a operação -- que pode demorar até um ano e meio -- represente um custo de entre 90 e 140 milhões de dólares.

"Vamos tomar exaustivas medidas a fim de não perder os corpos dos desaparecidos", disse o ministro dos transportes marítimos Yoo Ki-June em conferência de imprensa.

A bordo do Sewol seguiam 476 pessoas, incluindo 325 estudantes. No total, foram recuperados das águas 295 corpos, faltando resgatar nove.

Yoo Ki-June afirmou que o ministério dos transportes marítimos vai lançar de imediato o concurso para selecionar a empresa à qual será adjudicada a operação de resgate do barco.

"Uma vez selecionada a empresa, um plano detalhado (...) vai ser apresentado ao longo dos próximos três meses", disse.


Lusa


  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08