sicnot

Perfil

Mundo

Arménia proclama mártires as vítimas das perseguições iniciadas há um século

A Igreja Apostólica Arménia, a mais antiga do mundo, proclamou hoje mártires um milhão e meio de arménios, vítimas de um genocídio cometido há um século pelo Império Otomano.  

Sergei Grits

A canonização das vítimas decorreu ao ar livre a poucos metros da catedral de Etchmiadzine, onde se concentraram os descendentes das vítimas e milhares de arménios provenientes de todo o mundo. 

A maioria das vítimas morreu no decurso das deportações forçadas para os desertos da Síria e Mesopotâmia, então possessões otomanas, no que é considerado como o mais grave crime contra a humanidade durante a Primeira Guerra Mundial.  

A cerimónia solene foi celebrada na presença dos restos das vítimas que sucumbiram entre 1915 e 1923, reunidas num único ossário e que a partir de agora será um local de culto e peregrinação.  

Durante a canonização foram também exibidas ao público outras relíquias, como a suposta lança que o centurião romano Longinus cravou no corpo de Cristo cruxificado.  

As igrejas arménias de todo o mundo, onde vivem os cerca de dez milhões de membros da diáspora arménia, celebraram serviços eclesiásticos e colocaram os famosos cruzeiros de pedra arménios ou Jachkar (jach, cruz; kar, pedra) em memória das vítimas. 

No ato estiveram representadas as igrejas cristãs de todo o mundo, incluindo o Vaticano, que suscitou fortes protestos da Turquia quando o papa Francisco qualificou as perseguições à comunidade arménia otomana a partir de 1915 como "o primeiro genocídio do século XX".  

Os arménios acusam as autoridades otomanas de planificar a aniquilação sistemática desta minoria, iniciada simbolicamente em 24 de abril de 2015 com a detenção de centenas de intelectuais arménios em Constantinopla, capital do império.  

A Turquia anunciou na segunda-feira que também recordará os "arménios otomanos" mortos há 100 anos, mas o Presidente Recep Tayyip Erdogan já negou que o seu desaparecimento possa ser considerado um genocídio.  

Lusa

  • E agora?
    15:07

    Reportagem Especial

    Há uma semana, Portugal voltou a ser palco de uma tragédia que matou pelo menos 44 pessoas e deixou cerca de 70 feridas. Os incêndios destruíram mais de 800 casas, dezenas de empresas e explorações agropecuárias, mataram milhares de animais e consumiram uma gigantesca área de floresta. A reportagem da SIC andou pelo concelho de Tondela, onde três pessoas morreram e o levantamento de prejuízos ainda não está fechado.

  • "Sinto-me como quem leva uma sova monumental"
    0:30
  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • "Não compreendi absolutamente nada a substituição do Casillas"
    1:58
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    Os guarda-redes de FC Porto e Benfica estão neste momento em destaque depois de José Sá ter assumido a baliza dos dragões em detrimento de Iker Casillas. Nas águias, Svilar repetiu a titularidade frente ao Desportivo das Aves. Os comentadores do programa Play-Off Rodolfo Rei, Rui Santos, João Alves e Manuel Fernandes analisaram as duas situações.

  • Famílias afetadas pelos fogos começam a receber bens de primeira necessidade
    2:30
  • Equipa responsável por renovação da Proteção Civil ainda não é conhecida
    2:45

    País

    A constituição da unidade de missão que deverá entrar esta segunda-feira em funções para concretizar a reforma dos sistemas de prevenção e combate a incêndios ainda não é conhecida. A equipa de trabalho anunciada por António Costa será responsável por pôr de pé o novo sistema de Proteção Civil, aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

  • "Quero unir o PSD depois de o clarificar"
    1:17
  • Quem são os lesados do BES?
    4:52