sicnot

Perfil

Mundo

Escola islâmica australiana proíbe raparigas de correr para não perderem virgindade

As autoridades da Austrália deram hoje início a um inquérito sobre uma escola islâmica que terá proibido as raparigas de participarem em corridas por recearem que "percam a virgindade". 

© Reuters Photographer / Reuter

Em comunicado, o ministro da Educação do estado de Victoria, James Merlino, afirmou ter pedido "à autoridade reguladora para abrir um inquérito" relativo a uma situação "muito preocupante", caso se comprovem as acusações.  

Um antigo professor da escola Al-Taqwa de Melbourne escreveu, esta semana, ao Governo federal e do estado de Victoria para acusar o diretor, Omar Hallak, de acreditar "que se as mulheres correrem excessivamente podem perder a virgindade", noticiou o jornal The Age. 

"O diretor pensa existirem provas científicas que demonstram que se as raparigas ficarem feridas, por exemplo, se partirem uma perna a jogar futebol, podem ficar estéreis", indicou. 

O jornal publicou também uma carta dirigida ao diretor a criticar, numa aparente referência à equipa de corrida de fundo da escola, a proibição imposta, em 2013 e no ano passado, de participação das alunas da primária nestas competições.   

Esta decisão é "um verdadeiro insulto para todas as raparigas que iam participar nas corridas. O 'hadith' [ensinamento do profeta Maomé] não proíbe as raparigas de correr. Desde que se use o vestuário apropriado, as mulheres podem correr", pode ler-se na carta. 

O estabelecimento de ensino privado, que tem 1.700 alunos com idades entre os cinco e os 18 anos, da primária ao liceu, é considerado o maior do estado de Victoria, de acordo com dados governamentais. Em 2013, a escola recebeu mais de 15 milhões de dólares australianos (10,8 milhões de euros) em financiamentos públicos. 

Esta não é a primeira vez que Omar Hallak domina a capa dos jornais. No mês passado, disse ao The Age ter pedido aos alunos para não se juntarem ao movimento extremista Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria porque o grupo faz parte de uma conspiração dos Estados Unidos e Israel para dominar os recursos petrolíferos no Médio Oriente. 

Os combatentes do EI "são equipados e treinados" pelos Estados Unidos e Israel, declarou ao jornal. 

"A prova é que todos os equipamentos dos 'jihadistas' são novos (...) não pensamos que tenham sido muçulmanos a criar o EI. Matar inocentes não é islâmico", disse Hallak. 

Em setembro, a Austrália elevou o nível de alerta terrorista, na sequência da partida de mais de 100 cidadãos australianos para o Iraque e Síria para combater nas fileiras do EI. 



EJ // VM

Lusa/Fim

  • Mulher detida ao tentar atropelar polícias junto ao Capitólio, em Washington

    Mundo

    Agentes da polícia abriram fogo contra uma mulher (e não um homem, ao contrário do que inicialmente se disse) que conduzia um carro perto do Capitólio e tentava atropelá-los, segundo o Departamento da Polícia Metropolitana de Washington. A mulher foi detida mas a polícia garante que não se tratou de um ato terrorista.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.