sicnot

Perfil

Mundo

Fotografia publicada no Facebook compara vacinação à violação

A imagem foi publicada no Facebook de uma comunidade anti-vacinação da Austrália, a Australian Vaccination-skeptics Network (AVN) e já foi retirada da página.  Os responsáveis da AVN dizem que não tiveram qualquer responsabilidade na publicação dessa fotografia. 

A fotografia a preto e branco foi publicada, esta quarta-feira, na página da comunidade. Mostra um homem a tapar a boca a uma mulher, com o seguinte texto: "penetração forçada: realmente não é grande coisa, se é apenas uma agulha de vacinação, e se ele é um médico. Realmente controla as suas próprias escolhas?"

De imediato choveram críticas, nas redes sociais. Até mesmo os defensores da não-vacinação consideraram a imagem de "mau gosto". Opinião semelhante tem a porta-voz do grupo, Meryl Dorey, que admitiu que "foi longe demais"

A fotografia foi entretanto retirada. Meryl Dorey, rejeita qualquer responsabilidade e garante que foi um seguidor do grupo que a publicou. (A página é aberta a comentários do público e seguidores). De acordo com um jornal australiano, a fotografia foi publicada por Ben Rush, um membro da AVN.

Os membros desta comunidade cética australiana defendem que cada um deve ser livre para escolher se vacina ou não as crianças e que o Estado não deve impor a vacinação. Acreditam ainda que existe uma ligação entre o autismo e as vacinas. 

Recentemente, a comunidade científica publicou um estudo que deita por terra esta teoria. Revelou que não existe qualquer ligação entre a vacina que previne o sarampo, a papeira e a rubéola e o autismo. O estudo liderado por Anjali Jain, médico em Falls Church, Virgínia, nos Estados Unidos da América, foi publicado no  "Journal of the American Medical Association".

A Entidade Reguladora da Saúde da Austrália, investigou, em 2014, a Australian Vaccination-skeptics Network e concluiu que a informação, publicada nos diversos canais desta organização, era "enganosa, deturpada e incorreta", e que a informação era suscetível de causar "medo e alarme" nas pessoas.

Alertou ainda os seguidores para procurarem segundas opiniões junto dos médicos. Na sequência desta investigação, a AVN perdeu o estatuto de organização de solidariedade e foi forçada a inserir "céticos" no nome.

A comunidade anti-vacinação continua a crescer na Austrália, de tal modo que, o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, afirmou, dia 12 de abril, que vai impedir o acesso dos pais, que recusem vacinar os seus filhos, a um pacote de benefícios que são concedidos pelo Estado.

O anúncio, surge numa altura de intenso debate sobre a imunização de crianças, com pais a defenderem que as vacinas contra doenças mortais são perigosas, num movimento que coincidiu com o ressurgimento do sarampo na Europa e nos Estados Unidos.
  • Défice cai 1.900 milhões até agosto

    Economia

    O défice das administrações públicas foi de 2.034 milhões de euros até agosto, uma "melhoria de 1.901 milhões" face ao mesmo período de 2016, segundo o Governo, que justifica com aumento superior a 4% da receita.

  • Coreia do Norte acusa Trump de declarar guerra

    Mundo

    A Coreia do Norte acusou hoje o Presidente norte-americano de ter "declarado a guerra". O chefe da diplomacia norte-coreana ameaçou abater todo e qualquer bombardeiro dos EUA que se aproxime do território.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.

  • Atores recriam cena em que um homem é vítima de violência doméstica
    1:35
  • Ministério Público admite eventual detenção do presidente do governo da Catalunha
    2:24
  • "Bispo vermelho"

    "Recebia trabalhadores e sindicalistas, batia à porta de políticos e empresários, andava pelas ruas da cidade ao encontro dos que das ruas da cidade faziam casa". Joaquim Franco evoca Manuel Martins, o "bispo vermelho".

    Joaquim Franco

  • Apreendidos quase 7.000 comprimidos ilegais vendidos pela internet
    1:43

    País

    O Infarmed e a Autoridade Tributária apreenderam perto de 7.000 unidades de comprimidos ilegais.A apreensão aconteceu no âmbito de uma operação internacional da Interpol de combate aos medicamentos ilegais vendidos pela internet, explicou à SIC Luís Sande e Castro, diretor da Unidade de Inpeção do Infarmed.

  • Criar galinhas na cozinha, guerras no fogão, e drones dentro de casa
    7:28
  • Passageiro detido com 1 kg de ouro no reto

    Mundo

    Os funcionários da alfândega do aeroporto de Colombo, Sri Lanka, estranharam o comportamento de um passageiro que "caminhava com dificuldade". Um exame completo revelou a valiosa carga que levava escondida... no tubo intestinal.