sicnot

Perfil

Mundo

Mais de mil mortos no Iémem desde 19 de março

Mais de 1.000 pessoas foram mortas no Iémen desde 19 de março, indicou hoje a ONU, afirmando ainda que espera repor "nos próximos dias" no terreno as equipas de funcionários estrangeiros da organização internacional. 

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

"Os combates e os ataques aéreos da coligação (liderada pela Arábia Saudita e que tenta travar o avanço das milícias xiitas no território iemenita) afetam praticamente todo o país", declarou o coordenador humanitário da ONU no Iémen, Johannes Van Der Klaauw, numa declaração escrita.

"O preço a pagar pelos civis é imenso", acrescentou o representante.

No total, 1.080 pessoas foram mortas, incluindo 48 crianças e 28 mulheres, e outras 4.352 ficaram feridas desde 19 de março, segundo o mais recente balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O coordenador humanitário também sublinhou que mais de 150.000 pessoas foram obrigadas a sair das respetivas casas na sequência da vaga de violência que afeta o Iémen. Um número que vem agravar os níveis de deslocados daquele país, que já registava 300.000 deslocados internos antes da atual crise.

A degradação da situação humanitária no Iémen atingiu tais proporções que a OMS advertiu hoje para o colapso iminente dos sistemas de saúde e de cuidados médico-sanitários daquele país.

"Os casos de diarreia hemorrágica, de sarampo e de casos suspeitos de paludismo aumentaram", referiu Van Der Klaauw, acrescentando que no país, que importa normalmente cerca de 90% dos bens essenciais, está a faltar de tudo, nomeadamente alimentos, água, combustíveis e eletricidade.

Perante tal cenário, a ONU, que ordenou a retirada de todos os seus funcionários estrangeiros do território iemenita, espera repor estes elementos no terreno "nos próximos dias", concluiu o coordenador humanitário.

O conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro último com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias xiitas 'huthis', e a consequente fuga do Presidente iemenita Abd Rabbo Mansur Hadi para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita.

Em meados de março, uma ofensiva militar conduzida por uma aliança internacional, liderada pela Arábia Saudita (sunita), iniciou raides aéreos para tentar travar o avanço das milícias xiitas.

Na passada terça-feira, a coligação internacional declarou o fim da ofensiva militar no Iémen, mas os raides aéreos contra as posições rebeldes ainda prosseguiam hoje.

Lusa
  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28