sicnot

Perfil

Mundo

"Europa humanitária não está retratada nas medidas que foram tomadas"

O Conselho Português para os Refugiados (CPR) considerou hoje que a Europa humanitária "não está retratada" nas medidas tomadas na quinta-feira pela União Europeia para evitar a "situação trágica" da morte de imigrantes no Mediterrâneo.

O protesto teve lugar perto das sedes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu, sendo que neste edifício estão reunidos os chefes de Estado e de Governo da UE numa cimeira extraordinária para debater a questão dos fluxos de imigrantes no Mediterrâneo e os meios para fazer face a este drama.

O protesto teve lugar perto das sedes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu, sendo que neste edifício estão reunidos os chefes de Estado e de Governo da UE numa cimeira extraordinária para debater a questão dos fluxos de imigrantes no Mediterrâneo e os meios para fazer face a este drama.

JULIEN WARNAND / Lusa

"A Europa demonstrou uma preocupação de reforço militar das suas fronteiras, mas a Europa dos direitos humanos, a Europa humanitária não está, no nosso entender, retratada nas medidas que foram tomadas", disse, em declarações à agência Lusa, a presidente do CPR Teresa Tito Morais.

De acordo com a responsável, as medidas que os líderes da União Europeia aprovaram na quinta-feira, em Bruxelas, visando os salvamentos dos imigrantes ilegais ainda em terra, de forma a evitar as mortes no Mediterrâneo, são "positivas e importantes", mas "não são muito assertivas".

"Há uma manifestação de vontade em reforçar os salvamentos em terra e triplicar todos os equipamentos que estavam a ser utilizados, no âmbito do Frontex, na operação 'Triton'. Parece-nos positivo, mas [decisões] pouco assertivas, porque pensamos que o contrabando e estas máfias, que atuam e se servem das vítimas que querem entrar na Europa, são um sintoma e não a causa destas viagens tão perigosas", sublinhou Teresa Tito Morais.

Na quinta-feira, os líderes da União Europeia reunidos no Conselho Europeu decidiram combater o tráfico de imigrantes ilegais ainda em terra, destruindo os barcos antes que os contrabandistas os possam utilizar.

   Para a responsável, a fuga dos refugiados deve-se sobretudo "às guerras na Síria, à ditadura na Eritreia e à insegurança na Líbia", o que faz com que as pessoas "em desespero" para fugir da guerra e opressão, apanhem os barcos e sirvam-se destas redes.

Teresa Tito Morais sublinhou a importância do combate às redes, mas alertou para a necessidade de contemplar igualmente o reforço dos canais legais e seguros para os refugiados chegaram à Europa, além do reforço dos programas de reinstalação, vistos humanitários e reagrupamento familiar.

"Há ainda muito a fazer", reiterou a Teresa Tito Morais.

   No Conselho Europeu, marcado para debater a "situação trágica no Mediterrâneo", que já provocou a morte de centenas de migrantes, foi decidido que a Alta Representante para a Política Externa, Federica Mogherini, irá "preparar ações para capturar e destruir as embarcações dos traficantes antes que estas possam ser usadas, em linha com o direito internacional e respeitando os direitos humanos".

Foi ainda decidido que será aumentada a cooperação contra redes de contrabando, através da Europol e colocando agentes de imigração em países terceiros, além da UE ir triplicar as verbas e "aumentar significativamente" o apoio logístico da operação 'Triton' de patrulha e salvamento no Mediterrâneo, tendo os Estados-membros assumido o compromisso de reforçar o número de navios, helicópteros e peritos.



Lusa

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.