sicnot

Perfil

Mundo

ONU defende participação do Irão em novas conversações sobre a Síria

 O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, defendeu, esta quinta-feira, a participação do Irão nas novas conversações, a iniciar em maio, com vista a uma solução pacífica para o conflito na Síria.

© Darren Whiteside / Reuters

"O Irão é um Estado-membro da ONU, é um grande ator na região e tem influência na Síria", afirmou De Mistura, em conferência de imprensa, apontando que as Nações Unidas têm "o direito de convidar todos, incluindo o Irão, para o diálogo sobre a Síria"

A presença do Irão, aliado do regime do Presidente sírio Bashar al-Assad, foi sempre alvo de polémica, tendo o país sido excluído de duas conferências internacionais sobre o conflito.

O diplomata italiano, que se reuniu à porta fechada com os 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, disse esperar ter uma análise sobre os eventuais pontos de convergência entre as partes do conflito em finais de junho, embora antecipe como baixa a possibilidade de a próxima ronda de negociações entre as partes do conflito ser bem-sucedida.

O mediador da ONU para a Síria confirmou que vai realizar "consultas separadas" com as partes em maio para sondar as posições do regime sírio, da oposição e de grupos civis, no sentido de apurar se estão prontos para negociações com base no acordo de Genebra.

Ahmad Fawzi, porta-voz da ONU, informou anteriormente que a nova ronda se inicia a 04 de maio, prevendo-se que as consultas durem entre quatro e seis semanas.

De Mistura reconheceu que "as probabilidades e as condições para lançar uma transição política não são melhores do que há seis meses" e que o regime de Damasco e as forças da oposição não têm demonstrado "muita vontade de negociar".

Contudo, "a ONU permanece convencida acerca da necessidade de reavivar uma solução política", disse, de acordo com diplomatas.

Segundo o enviado especial da ONU, apesar de não haver sinais de que o processo venha a ter êxito, a comunidade internacional tem obrigação de voltar a tentar.

"Não podemos simplesmente esperar", insistiu, apontando para as graves consequências para a população que o conflito tem, um aspeto abordado também pelo Conselho de Segurança da ONU numa reunião prévia. 

A guerra na Síria já matou mais de 220 mil pessoas desde o início da revolta contra o regime de Bashar Al-Assad, em março de 2011, segundo dados divulgados na semana passada pela organização Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.

  • Mouchão da Póvoa em risco de desaparecer
    1:58

    País

    A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira alerta para o risco de desaparecimento do Mouchão da Póvoa, uma dos três mouchões do Tejo, no concelho. Em causa está a falta de autorização, pedida à Agência Portuguesa do Ambiente, para uma intervenção de emergência nos diques.

  • Lixo, para que te quero?
    23:17
  • Tuk-tuk em protesto oferecem hoje passeios gratuitos em Lisboa

    País

    A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) promove hoje a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de tuk-tuk, para alertar a população para a "problemática" regulamentação municipal deste tipo de veículos.

  • Ricardo Robles apresentado como candidato do BE a Lisboa
    1:31

    Autárquicas 2017

    Ricardo Robles foi formalmente apresentado este sábado como candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Lisboa. No encerramento da convenção autárquica do partido, Catarina Martins fez críticas ao Governo, dizendo que o projeto de descentralização do Executivo é perigoso e ameaça a democracia.