sicnot

Perfil

Mundo

ONU defende participação do Irão em novas conversações sobre a Síria

 O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, defendeu, esta quinta-feira, a participação do Irão nas novas conversações, a iniciar em maio, com vista a uma solução pacífica para o conflito na Síria.

© Darren Whiteside / Reuters

"O Irão é um Estado-membro da ONU, é um grande ator na região e tem influência na Síria", afirmou De Mistura, em conferência de imprensa, apontando que as Nações Unidas têm "o direito de convidar todos, incluindo o Irão, para o diálogo sobre a Síria"

A presença do Irão, aliado do regime do Presidente sírio Bashar al-Assad, foi sempre alvo de polémica, tendo o país sido excluído de duas conferências internacionais sobre o conflito.

O diplomata italiano, que se reuniu à porta fechada com os 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, disse esperar ter uma análise sobre os eventuais pontos de convergência entre as partes do conflito em finais de junho, embora antecipe como baixa a possibilidade de a próxima ronda de negociações entre as partes do conflito ser bem-sucedida.

O mediador da ONU para a Síria confirmou que vai realizar "consultas separadas" com as partes em maio para sondar as posições do regime sírio, da oposição e de grupos civis, no sentido de apurar se estão prontos para negociações com base no acordo de Genebra.

Ahmad Fawzi, porta-voz da ONU, informou anteriormente que a nova ronda se inicia a 04 de maio, prevendo-se que as consultas durem entre quatro e seis semanas.

De Mistura reconheceu que "as probabilidades e as condições para lançar uma transição política não são melhores do que há seis meses" e que o regime de Damasco e as forças da oposição não têm demonstrado "muita vontade de negociar".

Contudo, "a ONU permanece convencida acerca da necessidade de reavivar uma solução política", disse, de acordo com diplomatas.

Segundo o enviado especial da ONU, apesar de não haver sinais de que o processo venha a ter êxito, a comunidade internacional tem obrigação de voltar a tentar.

"Não podemos simplesmente esperar", insistiu, apontando para as graves consequências para a população que o conflito tem, um aspeto abordado também pelo Conselho de Segurança da ONU numa reunião prévia. 

A guerra na Síria já matou mais de 220 mil pessoas desde o início da revolta contra o regime de Bashar Al-Assad, em março de 2011, segundo dados divulgados na semana passada pela organização Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

  • "Claramente que há mandantes e que foi uma operação organizada"
    4:14

    Crise no Sporting

    Os 23 detidos por suspeitas de terem participado no ataque à Academia de Alcochete ficaram em prisão preventiva. Miguel Sousa Tavares considera que a decisão "é mais para ser exemplar". O comentador da SIC acredita que há mandantes e que esta foi uma "operação organizada". Sousa Tavares diz ainda que os "políticos não têm coragem para impor as leis" e que em Portugal "brinca-se com a lei".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.

  • Jovem britânico em fuga é detido depois de responder à polícia no Facebook

    Mundo

    Através do Facebook, a polícia de West Yorkshire mostrou-se preocupada perante o desaparecimento de um jovem de 21 anos e pediu por informações que pudessem leva-los a descobrir Leon Smith. Contudo, o que não deveriam estar à espera, era que o próprio desaparecido respondesse na rede social e que desafiasse a polícia a "fazer o seu trabalho". As autoridades acabaram por localizar o jovem no mesmo dia.

    SIC