sicnot

Perfil

Mundo

Usar a força não resolve problema dos imigrantes na Europa, diz Ban Ki-moon

O secretário-geral das Nações Unidas considerou hoje em entrevista ao jornal italiano 'La Stampa' que o uso da força não é solução para lidar com a tragédia dos imigrantes que tentam alcançar a Europa por via marítima.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

"Não há solução militar para a tragédia que está a acontecer no Mediterrâneo", disse Ban Ki-moon na entrevista, na qual expressou uma preferência por incentivos à imigração legal como uma solução global.

"É fundamental uma abordagem abrangente e que aborde as raízes do problema, a segurança e os direitos humanos dos migrantes e refugiados, assim como os canais regulares e legais de imigração", acrescentou o secretário-geral da ONU, citado pela AFP, acrescentando que o organismo "está pronto para trabalhar com os parceiros europeus nesse sentido".

A situação trágica no Mediterrâneo, com a morte de 800 imigrantes no passado dia 19, levou os líderes da União Europeia (UE) a adotarem quinta-feira medidas de combate ao tráfico de imigrantes ilegais ainda em terra.

Entre as decisões saídas do Conselho Europeu figura a destruição das embarcações antes que os contrabandistas as possam utilizar, o aumento da cooperação contra redes de contrabando, através da Europol e colocando agentes de imigração em países terceiros e aumentar para 120 milhões de euros o orçamento da missão "Tritão", para operações de patrulhamento e salvamento no Mediterrâneo.

"As medidas anunciadas recentemente no Luxemburgo e em Bruxelas são um primeiro passo importante no sentido de uma acção colectiva europeia, que é a única abordagem que pode resolver um problema desta natureza, tão amplo e transnacional", disse Ban Ki-moon, que é esperado na segunda-feira em Itália.

O líder italiano, Matteo Renzi, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e a Alta Representante da União Europeia para Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, participarão juntos numa iniciativa pública no Mediterrâneo para mostrar a sua "solidariedade" após as recentes tragédias de imigração.


  • Portugal vai reforçar operações de patrulha do Mediterrâneo
    1:58

    País

    Os líderes da União Europeia aprovaram o reforço de meios de controlo e patrulhamento do Mediterrâneo. No final do conselho europeu extraordinário em que os líderes dos 28 discutiram um plano de ação para travar o fluxo de imigração ilegal, o primeiro-ministro, Passos Coelho, disse que Portugal vai também ter uma maior participação nas operações, no quadro da Frontex e com financiamento da União Europeia.

  • Milhares de pessoas marcharam em Genebra para lembrar vítimas do Mediterrâneo

    Crise Migratória na Europa

    Milhares de pessoas desfilaram hoje pelas ruas de Genebra, na Suíça, para homenagear os milhares de imigrantes mortos às portas da Europa. Milhares de pessoas em silêncio, muitas em lágrimas para exigir uma resposta das autoridades à crise que se vive no Mediterrâneo onde milhares de imigrantes arriscam a vida para fugir à guerra, à fome e às más condições de vida. É precisamente em Genebra que fica a sede das Nações Unidas na Europa e a organização internacional para as migrações que já veio alertar para a possibilidade do número de vítimas no Mediterrâneo possa chegar aos 30 mil este ano, 10 vezes mais que no ano passado. Debaixo de forte contestação e depois do naufrágio de um navio, ao largo da Líbia que matou mais de setecentas pessoas, a União Europeia anunciou que vai triplicar a frota naval no Mediterrâneo recuperando o orçamento que tinha no ano passado, antes de suspender a operação Mare Nostrum ao largo da costa do sul da Europa.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.