sicnot

Perfil

Mundo

União Europeia recusa envio de missão militar para a Ucrânia

A União Europeia (UE) não pretende enviar uma missão militar para Ucrânia, como desejava o governo de Kiev, mas admite o envio de uma missão civil, disse hoje o presidente do Conselho Europeu, o polaco Donald Tusk. 

"O novo programa do FMI vai ajudar a satisfazer as necessidades de financiamento da Ucrânia, mas uma reestruturação associada da dívida externa detida por privados aparece crescentemente provável", segundo o comunicado da Fitch. (Arquivo)

"O novo programa do FMI vai ajudar a satisfazer as necessidades de financiamento da Ucrânia, mas uma reestruturação associada da dívida externa detida por privados aparece crescentemente provável", segundo o comunicado da Fitch. (Arquivo)

© Gleb Garanich / Reuters

"Hoje apenas podemos falar de uma missão civil de avaliação, e não de uma missão militar", disse Tusk durante uma conferência de imprensa conjunta com o Presidente ucraniano Petro Poroshenko e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, no final de uma cimeira Ucrânia-UE.   

A Ucrânia solicitou por diversas vezes o envio de uma força internacional de contenção para as regiões do leste do país onde eclodiu a rebelião pró-russa, com o conflito entre separatistas e forças de Kiev a provocar mais de 6.000 mortos desde março de 2014.  

"Sabemos que a Ucrânia o pretende, mas não podemos enviar uma missão militar, não debatemos esse assunto", disse Tusk. 

No mesmo encontro, Juncker assinalou que o Acordo de Associação entre Bruxelas e Kiev, assinado em junho de 2014, deve entrar plenamente em vigor a partir de 1 de janeiro de 2015. 

O acordo incluirá uma zona de livre comércio entre os 28 Estados-membros e a Ucrânia, com Juncker a reconhecer diversos atrasos na sua aplicação mas a sublinhar que a questão do ingresso da Ucrânia na UE não consta das atuais conversações.  

"O assunto da entrada da Ucrânia na UE não está na agenda imediata", sublinhou. 

No começo da cimeira, Poroshenko tinha insistido no empenho do seu governo em cumprir "em cinco anos" os requisitos para solicitar a adesão.   

"Somos ambiciosos nos nossos planos e na nossa fé, por isso declaramos que em cinco anos devemos aplicar o Acordo de Associação com a EU e cumprir os requisitos para solicitarmos sermos membros", afirmou. 

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.