sicnot

Perfil

Mundo

Nepal decreta três dias de luto nacional

O primeiro-ministro do Nepal, Sushil Koirala, decretou hoje três dias de luto nacional em memória das vítimas do forte sismo que afetou no sábado aquele país e que provocou, até ao momento, mais de 5.000 mortos.

© Navesh Chitrakar / Reuters

"Em memória dos nepaleses, dos irmãos e das irmãs estrangeiras, dos idosos e das crianças que perderam a vida no sismo mortífero, decidimos observar três dias de luto nacional a partir de hoje", afirmou Sushil Koirala, durante uma intervenção transmitida pela televisão, na qual também agradeceu aos doadores internacionais que prestaram ajuda ao povo nepalês. 

Segundo o mais recente balanço do Ministério do Interior nepalês, hoje divulgado, o número oficial de mortos na sequência do sismo situa-se nos 5.057.

O forte abalo, de magnitude 7,8 na escala de Richter, também fez 10.915 mil feridos, precisou, em declarações à agência francesa, o responsável pelo departamento de gestão de catástrofes do ministério nepalês, Rameshwor Dangal.

As autoridades nepalesas informaram ainda que existem, até ao momento, mais de 450 mil deslocados internos.

O anterior balanço dava conta de 4.358 vítimas mortais e de 8.174 feridos.

O sismo foi registado no sábado e teve o epicentro a cerca de 80 quilómetros da capital nepalesa de Katmandu.

O abalo foi sentido noutros países, como Índia, Bangladesh e China, e provocou avalanchas nos Himalaias. Quase cem réplicas, com uma intensidade que oscilou entre 4 e 6 graus, foram sentidas depois do sismo.

As operações de resgate no Nepal continuam a estar dificultadas por causa das más condições meteorológicas e pelas grandes carências deste país asiático para responder a um desastre destas dimensões. 

Os trabalhos de resgate também estão a ser uma corrida contra o tempo. A Equipa de Coordenação e Avaliação de Desastres das Nações Unidas (UNDAC) alertou que o tempo se está a esgotar para encontrar pessoas com vida.

Arjun Katoch, membro da UNDAC, referiu, em declarações à agência espanhola EFE, que é pouco provável que as pessoas se mantenham vivas após mais de 96 horas debaixo dos escombros, prazo que é hoje atingido.

O sismo de sábado foi o de maior magnitude registado no Nepal nas últimas oito décadas e o pior que a região viveu nos últimos 10 ano, desde que, em 2005, um forte abalo causou uma tragédia de grandes dimensões em Caxemira, com mais de 84.000 mortos.

Lusa
  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.