sicnot

Perfil

Mundo

Organização Mundial de Saúde apresenta plano para atingir o nível "Ébola zero"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) apresentou hoje um plano de luta contra o Ébola que tem como objetivo principal identificar as cadeias de transmissão do vírus para atingir um nível de "Ébola zero".

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"Ainda é necessário fazer um esforço considerável para quebrar todas as cadeias de transmissão nos países afetados, impedir a propagação da doença nos países vizinhos e reativar de maneira eficaz os serviços básicos de saúde", afirma-se no "plano estratégico" da OMS, com 28 páginas. 

De acordo com os últimos números da OMS, foram contaminadas pelo vírus 26.300 pessoas, das quais morreram 10.900, especialmente na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa.

O documento sublinha o esforço "sem precedentes" que foi lançado no verão passado e que reduziu consideravelmente a escalada da epidemia, com apenas alguns casos semanais desde o início do ano, quando em outubro passado se registavam 800 casos por semana.

A Libéria, o país mais afetado, não relatou mais nenhum caso desde o fim de março e prepara-se para declarar em maio o fim da epidemia.

No entanto, a OMS lembra que o combate não terminará até que o vírus seja completamente vencido: "um elevado nível de contágio persiste nas regiões ocidentais da Guiné-Conacri e da Serra Leoa", afirma a organização.

"É essencial limitar a propagação do vírus nas zonas costeiras nestes países antes do início da época das chuvas", dentro de poucas semanas, acrescenta.

A organização está particularmente preocupada com o aparecimento de novos casos de pessoas que aparentemente não estiveram em contacto com outras infetadas ou que não possam estar ligadas a uma cadeia de transmissão identificada.

"A prioridade é identificar e isolar todos os casos novos de agora até final de maio e confirmar que eles têm origem em cadeias de transmissão conhecidas", afirma-se no plano da OMS.


Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.