sicnot

Perfil

Mundo

Tráfico humano move 1.800 ME por ano na Ásia

O tráfico humano na Ásia gera cerca de 2.000 milhões de dólares (cerca de 1.800 milhões de euros) de lucro por ano para os grupos criminosos e provoca muitas mortes e abusos, segundo um relatório da ONU divulgado hoje. 

reuters

A Agência das Nações Unidas para as Drogas e Crime (UNODC) indicou em comunicado que o estudo analisa o tráfico de imigrantes em 28 estados desde o Médio Oriente até ao Pacífico, onde as máfias cobram até 50.000 dólares (45.900 euros) por pessoa. 

Segundo o relatório "Tráfico de imigrantes na Ásia: Tendências atuais e desafios", muitas pessoas buscam uma vida melhor por vezes em países tão distantes como a Austrália, Canadá ou Estados Unidos, mas acabam a ser vítimas dos traficantes. 

"O movimento de pessoas através das fronteiras na Ásia deve crescer rapidamente e para níveis sem precedentes, em parte devido às novas infraestruturas e à abertura das fronteiras", disse Jeremy Douglas, representante da UNODC para o leste asiático e Pacífico.

"Além disso, a produção de documentos fraudulentos é generalizada", acrescentou Jeremy Douglas.

O relatório recomenda a melhoria das bases de dados e o reforço dos meios e da legislação para combater o tráfico e proteger as vítimas.

Muitas vítimas do tráfico humano acabam em barcos de pesca nas águas do sudeste asiático, enquanto centenas morrem no mar a tentar fugir da Birmânia ou chegar às costas australianas, acrescenta a agência Efe. 


  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.