sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela reduz horário de trabalho para poupar energia eléctrica

A Venezuela anunciou hoje que vai reduzir o horário de trabalho dos funcionários públicos de oito para seis horas para reduzir o consumo elétrico, que aumentou nos últimos dias devido a uma onda de calor.

© Gonzalo Fuentes / Reuters

"Analisámos e chegámos ao acordo de que a maior parte da administração pública nacional vai passar a ter um horário contínuo de seis horas de trabalho", anunciou o vice-presidente da Venezuela, Jorge Arreaza.

O anúncio foi feito através do canal estatal Venezuelana de Televisão, onde Jorge Arreaza explicou que nos últimos dias se têm verificado temperaturas muito elevadas, levando as pessoas a usarem mais os aparelhos de ar condicionado.

"Ontem [segunda-feira], em Maracaibo [uma cidade a oeste do país], a perceção térmica era de 45 graus Celsius, hoje dizem-nos que é superior", disse.

O vice-presidente da Venezuela adiantou que vão ser feitas inspeções para confirmar o cumprimento do horário de trabalho e verificar o uso eficiente e consciente dos equipamentos que consomem eletricidade.

Jorge Arreaza acrescentou também que estão em análise medidas de poupança de energia para serem aplicadas pelos grandes consumidores privados, nomeadamente centros comerciais, hotéis, estabelecimentos e algumas indústrias.

O anúncio das medidas ocorre depois de alguns analistas terem chamado a atenção para a descida do nível das águas na barragem de El Guri, a principal do país, e de alegados problemas de manutenção do sistema elétrico venezuelano.



Lusa
  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05