sicnot

Perfil

Mundo

Mãe apanha filho no motim de Baltimore e bate-lhe em público

Mãe apanha filho no motim de Baltimore e bate-lhe em público

Toya Graham é já considerada a "Mãe do Ano". Surpreendeu o filho, no motim, em Baltimore, e deu-lhe um sermão e umas quantas chapadas. Foi tudo filmado por uma estação de televisão e o video já se tornou viral.

Toya Graham mãe de seis, solteira. Assistia, em casa, pela televisão, à fúria dos que protestavam contra a morte de um jovem negro, às mãos da polícia.

Saltou da cadeira e voou para a rua assim que viu o filho, Michael, de 16 anos, a atirar pedras aos agentes de autoridade.

Não demorou muito até o identificar.  Arrastou-o para fora da multidão, furiosa, tirou-lhe o capuz, puxou-o por uma orelha, deu-lhe umas quantas chapadas e levou-o para casa. Ao mesmo tempo gritava: "O que se passa contigo? Desaparece já daqui!".

Foi tudo gravado por uma estação de televisão local, a WMAR. As imagens foram colocadas nas redes sociais e já se 
tornaram virais. Toya está já a ser apelidada de "Mãe do Ano".

"No Facebook os amigos dizem ao Michael: não deves ficar zangado com a tua mãe, mas sim dar-lhe um abraço", conta Toya Graham à cadeia norte-americana CBS.  

"Fiquei chocada, zangada, porque não queremos ver os nossos filhos a fazerem isso". Toya Graham diz-se contra a violência. Não concorda com o que se está a passar nas ruas de Baltimore porque "não é assim que vamos conseguir justiça para Freddy Gray" e não quer ver o filho a passar pelo mesmo.

Os distúrbios começaram na segunda-feira após o funeral de um jovem afro-americano em Baltimore, estado de Maryland (leste dos Estados Unidos). 

Vários agentes da polícia ficaram feridos nos distúrbios e foram efetuadas mais de duzentas detenções. 
Durante o motim veículos foram  incendiados, prédios danificados e lojas saqueadas.

O caso voltou a reacender o debate sobre a discriminação racial e a atuação da polícia norte-americana. 
  • Habitantes de Baltimore tentam voltar à normalidade
    2:39

    Mundo

    Depois de uma noite de violência, os habitantes de Baltimore tentam voltar à normalidade. A maioria da população condena os acontecimentos que levaram a que fosse decretado o estado de emergência na cidade norte-americana. A revolta explodiu depois do funeral de um jovem negro que morreu depois de ter sido detido.

  • Português relata situação de caos vivida em Baltimore
    1:11

    Mundo

    Um português que estuda há três anos numa universidade de Baltimore, Raúl Saraiva, está praticamente sem sair de casa, depois de ter sido decretado recolher obrigatorio. Foi declarado estado de emergência em Baltimore, nos Estados Unidos, para restaurar a ordem na cidade do Estado de Maryland. Registaram-se violentos confrontos entre a polícia e dezenas de manifestantes depois do funeral de um jovem negro que morreu no dia 19 quando estava sob custódia policial.

  • Taxa de desemprego abaixo dos 10%

    Economia

    A taxa de desemprego em fevereiro ficou afinal nos 9,9%. O Instituto Nacional de Estatística reviu o indicador em baixa de 0,1 pontos percentuais, esta sexta-feira. É o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.