sicnot

Perfil

Mundo

Mãe apanha filho no motim de Baltimore e bate-lhe em público

Mãe apanha filho no motim de Baltimore e bate-lhe em público

Toya Graham é já considerada a "Mãe do Ano". Surpreendeu o filho, no motim, em Baltimore, e deu-lhe um sermão e umas quantas chapadas. Foi tudo filmado por uma estação de televisão e o video já se tornou viral.

Toya Graham mãe de seis, solteira. Assistia, em casa, pela televisão, à fúria dos que protestavam contra a morte de um jovem negro, às mãos da polícia.

Saltou da cadeira e voou para a rua assim que viu o filho, Michael, de 16 anos, a atirar pedras aos agentes de autoridade.

Não demorou muito até o identificar.  Arrastou-o para fora da multidão, furiosa, tirou-lhe o capuz, puxou-o por uma orelha, deu-lhe umas quantas chapadas e levou-o para casa. Ao mesmo tempo gritava: "O que se passa contigo? Desaparece já daqui!".

Foi tudo gravado por uma estação de televisão local, a WMAR. As imagens foram colocadas nas redes sociais e já se 
tornaram virais. Toya está já a ser apelidada de "Mãe do Ano".

"No Facebook os amigos dizem ao Michael: não deves ficar zangado com a tua mãe, mas sim dar-lhe um abraço", conta Toya Graham à cadeia norte-americana CBS.  

"Fiquei chocada, zangada, porque não queremos ver os nossos filhos a fazerem isso". Toya Graham diz-se contra a violência. Não concorda com o que se está a passar nas ruas de Baltimore porque "não é assim que vamos conseguir justiça para Freddy Gray" e não quer ver o filho a passar pelo mesmo.

Os distúrbios começaram na segunda-feira após o funeral de um jovem afro-americano em Baltimore, estado de Maryland (leste dos Estados Unidos). 

Vários agentes da polícia ficaram feridos nos distúrbios e foram efetuadas mais de duzentas detenções. 
Durante o motim veículos foram  incendiados, prédios danificados e lojas saqueadas.

O caso voltou a reacender o debate sobre a discriminação racial e a atuação da polícia norte-americana. 
  • Habitantes de Baltimore tentam voltar à normalidade
    2:39

    Mundo

    Depois de uma noite de violência, os habitantes de Baltimore tentam voltar à normalidade. A maioria da população condena os acontecimentos que levaram a que fosse decretado o estado de emergência na cidade norte-americana. A revolta explodiu depois do funeral de um jovem negro que morreu depois de ter sido detido.

  • Português relata situação de caos vivida em Baltimore
    1:11

    Mundo

    Um português que estuda há três anos numa universidade de Baltimore, Raúl Saraiva, está praticamente sem sair de casa, depois de ter sido decretado recolher obrigatorio. Foi declarado estado de emergência em Baltimore, nos Estados Unidos, para restaurar a ordem na cidade do Estado de Maryland. Registaram-se violentos confrontos entre a polícia e dezenas de manifestantes depois do funeral de um jovem negro que morreu no dia 19 quando estava sob custódia policial.

  • Germano Almeida vence Prémio Camões

    Cultura

    O escritor cabo-verdiano Germano Almeida é o vencedor do Prémio Camões 2018, foi esta segunda-feira anunciado, no Hotel Tivoli, em Lisboa, após reunião do júri.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Eis os novos heróis de Vila de Aves
    3:03
  • Desportivo das Aves fora da Liga Europa

    Desporto

    O Desportivo das Aves não vai à Liga Europa e o Sporting terá entrada direta na fase de grupos. Apesar da conquista da Taça de Portugal, a equipa avense não se licenciou em tempo útil para poder participar na prova da UEFA, apurou a SIC.

  • E agora, Sporting? Semana de decisões e incertezas
    2:53
  • "Para primeiro dia de pesca da sardinha, não foi mau"
    2:19
  • "Desfiliei-me do PS mas continuo socialista"
    1:29

    País

    José Sócrates garantiu este domingo que não atacará o PS e que continua a ser socialista. O antigo primeiro-ministro participou num almoço de apoio, em Lisboa, com cerca de 100 pessoas, a maioria anónimos.