sicnot

Perfil

Mundo

Nave espacial russa está a cair de forma descontrolada em direção à Terra

EM ATUALIZAÇÃO

Uma nave espacial não tripulada que levava mantimentos para a Estação Espacial Internacional está a cair em direção à Terra, aparentemente de forma descontrolada, disse hoje uma fonte não identificada em declarações à agência AFP. A agência espacial russa, Roscosmos, já anunciou que a nave não vai conseguir acoplar à Estação Espacial Internacional (EEI).

Progress M-27M

Progress M-27M

NASA

"Começou a descida. Não tem mais nenhum sítio para onde ir", disse um responsável conhecedor da situação à AFP, sob condição de anonimato. "É agora claro que começaram reações absolutamente incontroláveis", acrescentou esta fonte, que a agência francesa não identifica, mas que explica que a descida marca o fim da missão Progress.


Citado pela agência Reuters, o responsável da Roscosmos, Igor Komarov, afirmou que a nave não vai conseguir acoplar à EEI como estava previsto devido a problemas que ocorreram logo após o lançamento, na terça-feira.

"Por causa disso, a nave continua o voo mas a acoplagem à EEI não será possível", disse em conferência de imprensa.

Nave pode ficar uma semana às voltas sobre a Terra

De acordo com o diretor de operações de voos tripulados da  ESA, Thomas Reiter, caso os russos não consigam retomar o controlo da nave, esta pode ficar às voltas sobre a terra uma semana até uma semana e meia, no máximo.

O perigo de atingir uma pessoa é mínimo. Mais de 2/3 da Terra estão cobertos por água e apenas 3% da terra (solo) é povoada. Além de que o mais provável é que arda ao entrar na atmosfera terrestre.

"A nave está a uma altitude de 257 km e a viajar a mais de 25 mil km/h", revela Thomas Reiter ao The Guardian. "Esta altitude é suficientemente abaixo da Estação Espacial Internacional para não lhe causar qualquer problema. No entanto, alguns satélites poderão ter se fazer manobras" para se desviarem da rota da Progress, explica.

Comunicações perdidas pouco depois da descolagem

O foguetão Soyuz, que levava a nave Progress M-27M com mantimentos para a  Estação Espacial Internacional, foi lançado na terça-feira, mas as comunicações foram perdidas pouco depois.

Um porta-voz da agência russa não quis comentar o sucedido.

O programa espacial russo da  Roscosmos é um motivo de orgulho para a população local, mas nos últimos anos têm surgido uma série de contratempos e falhanços, nomeadamente a perda de vários satélites e a queda de uma nave similar, em 2011, na Sibéria.

O vice-primeiro-ministro russo com o pelouro da indústria aeroespacial, Dmitry Rogozin, atualmente na China, disse estar em constante contacto com a agência espacial e escreveu no Twitter: "Estamos todos preocupados com a nossa nave de carga".

NASA disse entretanto que a nave espacial não levava a bordo material fundamental para a secção norte-americana da Estação Espacial Internacional, e que os astronautas têm mantimentos suficientes para os próximos meses.

Com agências


  • NASA divulga imagens de passeio espacial de astronautas
    0:41

    Mundo

    A NASA divulgou imagens do trabalho no espaço. O video foi feito entre os dias 25 de fevereiro e 1 de março, com recurso a uma câmara GoPro, desenvolvida para desportos radicais na Terra. As imagens mostram o trabalho dos astronautas da Estação Espacial Internacional (EEI). Os passeios espaciais serviram para instalar cabos elétricos, bem como instalar antenas e equipamentos de navegação. Este tipo de trabalho é comum na EEI.

  • Astronauta mediático em entrevista exclusiva
    9:43

    Futuro Hoje

    Chris Hadfield é um nome que pode não estar nas nossas memórias imediatas. mas se se disser que é aquele astronauta que tocava e cantava Space Oddity na Estação Espacial Internacional, já muitos se lembrarão. Num Futuro Hoje especial, ou melhor, espacial, o Lourenço Medeiros entrevistou o comandante via Skype.

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.