sicnot

Perfil

Mundo

Brasileiro executado na Indonésia "não estava ciente" da iminência da morte

O brasileiro que foi executado na Indonésia, um homem que sofria de doenças mentais, não estava consciente do que ia acontecer no momento em que enfrentou o pelotão de fuzilamento, segundo o seu advogado e um padre.

O brasileiro Rodrigo Gularte, 42 anos, foi condenado à morte na Indonésia (EFE/ Arquivo)

O brasileiro Rodrigo Gularte, 42 anos, foi condenado à morte na Indonésia (EFE/ Arquivo)

Efe

Condenado à morte por tráfico de droga, Rodrigo Gularte, de 42 anos, foi executado juntamente com outros seis estrangeiros na quarta-feira, apesar dos apelos da sua família, que indicou que sofria de esquizofrenia paranóide.

"Tinha uma mente delirante", disse à AFP o seu advogado Ricky Gunawan, explicando que o brasileiro não foi capaz de compreender a realidade quando recebeu o aviso de que a sua execução seria dentro de 72 horas.

"Quando lhe dissemos que a condenação à morte ia ser concretizada, ele perguntou: Que condenação à morte? Eu não fui condenado à morte'", relatou.

"Não estou certo se ele compreendeu a 100% que seria executado", disse, acrescentando que Gularte estava irredutível na ideia de que a água na prisão estava envenenada. 

O advogado conta que quando perguntou a Gularte quais eram os seus últimos pedidos, o brasileiro respondeu com brincadeiras. 

"Só se ria. Perguntou-me: É como na lâmpada do Aladino, em que podemos pedir três desejos?'", declarou.

Gularte foi detido em 2004 quando tentava entrar na Indonésia com seis quilos de cocaína.

O padre irlandês Charlie Burrows, que acompanhou Gularte nos seus últimos dias, disse que o brasileiro estava confuso sobre o que se passava à medida que os guardas prisionais e a polícia o preparavam para a morte.

O padre explicou que Gularte ouvia vozes com frequência: "Toda a gente estava há dias a ser preparada e toda a gente sabia que ia haver uma execução. Mas como ele ouvia estas vozes, calculava que as vozes lhe diziam: 'Não, tudo vai correr bem', e acreditava nas vozes mais do que em qualquer pessoa".


Lusa
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41