sicnot

Perfil

Mundo

Indignação em Katmandu durante a visita do primeiro-ministro nepalês

A visita do primeiro-ministro nepalês, Sushil Koirala, às zonas mais afetadas pelo sismo em Katmandu desencadeou várias manifestações de indignação e raiva por parte da população, que critica a resposta do Governo à tragédia.

© Adnan Abidi / Reuters

Os residentes de Basantapur, uma das áreas mais afetadas pelo sismo de magnitude 7,8 que atingiu o Nepal no sábado, manifestaram a sua ira contra Koirala enquanto este avaliava os danos junto do chefe do exército, Gaurav S.J.B. Rana, escreve hoje o jornal Kantipur.

Um grupo de sobreviventes rodeou o primeiro-ministro, pedindo-lhe apoio material e compensações de modo a poder refazer a sua vida, depois do sismo que matou cerca de 5.500 pessoas e deixou 11.000 feridas.

Koirala reconheceu na segunda-feira que as operações de busca e resgate não tinham sido eficientes, devido ao corte nas comunicações e à falta de preparação das equipas de emergência.

O Consórcio de Redução de Riscos no Nepal, uma entidade em que participam organismos das Nações Unidas, calcula que o sismo gerou cerca de 2,8 milhões de deslocados, num país com uma população de 28 milhões.

A mesma fonte indicou que em 39 dos 75 distritos do país, o sismo destruiu cerca de 70.000 casas e danificou outras 530.000.

  • Isto não é não jornalismo. Por Ricardo Costa

    Opinião

    Uma das decisões mais banais e corriqueiras do jornalismo assenta nas escolhas que se fazem no dia a dia. Que temas se abordam, que destaque se dá a este ou aquele assunto, que ângulos de abordagem se usam. São opções condicionadas por uma série de fatores - que vão do interesse e da novidade até questões tão básicas como o haver ou não jornalistas com tempo, meios e conhecimentos para o fazerem -, que estão e estarão na base de qualquer dia de trabalho numa redação.

    Ricardo Costa

  • Bruxelas multa Altice em 125 M€ devido à compra da PT

    Economia

    Os Serviços da Concorrência da Comissão Europeia decidiram multar a Altice em 125 milhões de euros no âmbito da compra da PT Portugal. Bruxelas avançou com a multa à Altice por ter começado a gerir a PT antes do negócio ter sido aprovado pela Comissão Europeia.

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.