sicnot

Perfil

Mundo

Indignação em Katmandu durante a visita do primeiro-ministro nepalês

A visita do primeiro-ministro nepalês, Sushil Koirala, às zonas mais afetadas pelo sismo em Katmandu desencadeou várias manifestações de indignação e raiva por parte da população, que critica a resposta do Governo à tragédia.

© Adnan Abidi / Reuters

Os residentes de Basantapur, uma das áreas mais afetadas pelo sismo de magnitude 7,8 que atingiu o Nepal no sábado, manifestaram a sua ira contra Koirala enquanto este avaliava os danos junto do chefe do exército, Gaurav S.J.B. Rana, escreve hoje o jornal Kantipur.

Um grupo de sobreviventes rodeou o primeiro-ministro, pedindo-lhe apoio material e compensações de modo a poder refazer a sua vida, depois do sismo que matou cerca de 5.500 pessoas e deixou 11.000 feridas.

Koirala reconheceu na segunda-feira que as operações de busca e resgate não tinham sido eficientes, devido ao corte nas comunicações e à falta de preparação das equipas de emergência.

O Consórcio de Redução de Riscos no Nepal, uma entidade em que participam organismos das Nações Unidas, calcula que o sismo gerou cerca de 2,8 milhões de deslocados, num país com uma população de 28 milhões.

A mesma fonte indicou que em 39 dos 75 distritos do país, o sismo destruiu cerca de 70.000 casas e danificou outras 530.000.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15