sicnot

Perfil

Mundo

Navios de guerra iranianos patrulham estreito estratégico no Iémen

Dois contratorpedeiros iranianos enviados para o Golfo de Áden para proteger navios mercantes chegaram à entrada de um estreito estratégico entre o Iémen e o Djibuti, anunciou hoje a Marinha do Irão.

© Stringer . / Reuters

"Estamos presentes no Golfo de Áden em conformidade com as regras internacionais para garantir a segurança de navios comerciais do nosso país contra a ameaça de piratas", afirmou o Chefe do Estado-Maior da Armada iraniana, o contra-almirante Habibollah Sayari, citado pela agência oficial IRNA.

 

A Marinha enviou os contratorpedeiros Alborz e Bushehr para patrulhar a entrada do estreito, acrescentou, precisando que a missão se prolonga até 22 de junho.

 

O estreito de Bab el-Mandeb, entre o Iémen e o Djibuti, é uma entrada estratégica para o Mar Vermelho, pela qual passam diariamente cerca de quatro milhões de barris de petróleo em navios com origem ou destino ao Canal de Suez.

 

Na semana passada, os Estados Unidos enviaram um porta-aviões e um cruzador para as águas ao largo do Iémen devido à aproximação de um conjunto de navios iranianos, regressando dias depois ao Golfo Pérsico, perante o recuo dos navios iranianos.

 

O Iémen é cenário de um conflito armado entre as milícias xiitas 'huthis', apoiadas pelo Irão, e as forças leais ao presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, apoiadas por uma coligação árabe liderada pela Arábia Saudita.

 


Lusa

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32