sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 150 detidos em Istambul, polícia evita celebrações do 1º de Maio

Pelo menos 150 pessoas foram detidas hoje no centro de Istambul pela polícia, que controla um raio de três quilómetros em torno da praça Taksim para evitar que se celebre naquele local o Dia do Trabalhador.    

DENIZ TOPRAK

ULAS YUNUS TOSUN

ULAS YUNUS TOSUN

DENIZ TOPRAK

DENIZ TOPRAK

ULAS YUNUS TOSUN

ULAS YUNUS TOSUN

A informação foi adiantada pelo Colégio de Advogados de Istambul. 

Mais de 20.000 polícias controlam hoje o centro de Istambul, cujas ruas estão cortadas por barreiras policiais num raio de três quilómetros em torno da praça Taksim, para evitar que se celebre naquele local o Dia do Trabalhador.           

A imprensa turca adianta que também pelo menos 30 membros do Partido Comunista foram detidos pela polícia. 

Os meios locais informam que a Polícia está a deter aleatoriamente pessoas que usam máscaras de gás e que há agentes vestidos à paisana, adianta o jornal turco Hurriyet.

Mesmo assim, os agentes lançaram esta manhã gases lacrimogénios contra grupos de manifestantes que tentam marchar para a praça Taksim a partir de bairros próximos, provocando alguns feridos, refere o jornal BirGun daily.

Os agentes, muitos transferidos de avião de outras partes da Turquia para Istambul, chegaram à praça esta madrugada, aos quais se juntaram 70 veículos armados, informou a CNNTurk. 

O gabinete do governador de Istambul assegurou num comunicado que não será permitida qualquer celebração na praça Taksim e que quem desejar celebrar o Dia do Trabalhador deve fazê-lo em qualquer uma das oito zonas da capital expressamente habilitadas para aquele tipo de manifestações.  

As celebrações do 1.º de Maio tiveram lugar na praça de Taksim durante décadas, mas esta ficou carregada de significado depois do denominado 'Massacre de 1.º de Maio' ou 'Domingo Sangrento de 1977', quando 34 pessoas foram assassinadas e 120 ficaram feridas num atentado contra os manifestantes. 

O Governo declarou o 1.º de Maio feriado nacional em 2009, como o dia do Trabalho e da Solidariedade e reabriu a praça Taksim às celebrações, ainda que sob estreita vigilância, para a voltar a fechar em 2013 devido a obras. 

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos ditou que se devia permitir manifestações na referida praça e, de acordo com esta decisão, o Comité do 1.º de Maio declarou ilegal a proibição de utilizar a praça e insistiu que os manifestantes acudirão a Taksim. 



Lusa
  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.