sicnot

Perfil

Mundo

Viagens espaciais longas podem causar danos irreversíveis no cérebro dos astronautas

Os astronautas que façam longas viagens espaciais estão sujeitos a radiações que podem causar danos irreversíveis no sistema nervoso central, segundo um estudo publicado hoje na revista norte-americana Science Advances.

© Denis Balibouse / Reuters

"Esta não é uma boa notícia para os astronautas que queiram fazer uma viagem de dois ou três anos, de ida e volta a Marte. As radiações cósmicas podem alterar as capacidades cognitivas dos astronautas durante o resto  da vida", afirmou o investigador Charles Limoli, da Universidade da Califórnia, que dirigiu o estudo científico.

Quando a NASA se prepara para fazer a primeira missão tripulada a Marte, os investigadores alertam que, durante voos espaciais de longa duração, o cérebro dos astronautas é atingido por "partículas destrutivas" provenientes dos raios cósmicos.

A equipa de investigação submeteu ratos geneticamente modificados a radiações de partículas de elevada carga energética e verificou que essas radiações provocaram uma inflamação no cérebro dos animais, que interferiu na transmissão de sinais no sistema nervoso.

Os resultados dos testes mostraram que os ratos expostos a radiação ficaram menos ativos, menos curiosos e manifestavam-se mais confusos.

De acordo com o investigador, nos astronautas os efeitos poderão ser perda de memória, de consciência e de atenção durante uma missão de longa duração.

Os astronautas que passam longas temporadas na Estação Espacial Internacional não correm aquele risco porque estão protegidos pela magnetosfera da Terra.

Lusa
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.