sicnot

Perfil

Mundo

Aplicação para telemóvel permite registar dados sobre lixo recolhido na praia

Uma aplicação para telemóvel, destinada aos grupos que recolhem resíduos nas praias, permite o registo de informações sobre o material encontrado, de modo a conhecer melhor a situação do lixo marinho em vários países europeus, como Portugal.

Bebeto Matthews

O 'Marine LitterWatch' é um projeto desenvolvido pela Agência Europeia do Ambiente (EEA na sigla em inglês) utilizando uma aplicação para telemóvel e o principal objetivo é a adoção de "uma metodologia uniforme para a quantificação de lixo marinho nas praias europeias", explicou hoje à agência Lusa Isabel Palma Raposo, da Associação Portuguesa de Lixo Marinho (APLM).

Esta organização, ligada à Faculdade de Ciência e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa, é a parceira portuguesa para o 'Marine LitterWatch' e está a promover a utilização deste instrumento entre as Organizações Não Governamentais (ONG) e os grupos de cidadãos que vão realizando ações de limpeza de praias e da costa.

A informação recolhida, e tratada de forma semelhante, vai facilitar o conhecimento do que se passa nas praias europeias em termos de poluição da costa, quantidades encontradas e materiais mais frequentes, como plástico, garrafas, beatas de cigarros ou cotonetes, comparar a situação entre pontos diferentes de um país e entre países, além de permitir analisar a evolução, nos próximos anos.

"Qualquer pessoa pode utilizar a aplicação", salientou a investigadora da FCT Isabel Palma Raposo, avançando o exemplo de uma ONG que planeou uma limpeza de praia, e pode fazer uma recolha de dados, com o registo da ação, caracterização e localização da praia e data.

A ferramenta gera um código que vai ser fornecido aos participantes da ação e o próprio instrumento apresenta uma lista de tipos mais comuns de lixo nas praias.

À medida que vão encontrando os resíduos, "os participantes podem ir registando de forma simples os itens que apanharam", especificando qual o tipo de material, explicou a investigadora.

A aplicação também pode ser utilizada pelos técnicos de organizações internacionais, como a comissão para a proteção do ambiente marinho no Atlântico Noroeste (OSPAR), com a sua metodologia para a monitorização. 

A grande vantagem realçada por Isabel Lima Raposo é que todos os dados são recolhidos com uma mesma metodologia e ficam centralizados. 

"Ao classificar sempre da mesma maneira o lixo que é apanhado, conseguimos comparar resultados no futuro, o que por vezes não é fácil porque existem muitas metodologias diferentes de classificar o lixo", o que dificulta a comparação de resultados ou a elaboração de tendências, disse.

A aplicação, baseada nas recomendações da OSPAR e tendo em conta os requisitos da diretiva comunitária da estratégia marinha, está só disponível em inglês e a APLM gostaria que fosse traduzida para português porque "é mais fácil para as pessoas se estiver na língua nativa".  

O projeto Poizon "Microplásticos e poluentes persistentes: uma dupla ameaça à vida no mar", que analisou o lixo marinho encontrado em 11 praias portuguesas durante dois anos, concluiu que o plástico, principalmente de muito pequenas dimensões, representa 97% de todo o material encontrado.    

Lusa
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.