sicnot

Perfil

Mundo

Marine Le Pen proíbe pai de falar em nome da Frente Nacional francesa

A presidente da Frente Nacional (FN), Marine Le Pen, proibiu hoje o pai de falar em nome do partido de extrema-direita francesa que ele fundou, porque "os seus comentários são contrários" à linha oficial do partido.

© Philippe Wojazer / Reuters

"Jean-Marie Le Pen não deve mais poder falar em nome da Frente Nacional, as suas declarações são contrárias à linha fixada", afirmou a sua filha numa entrevista à Europe 1, ITELE e Le Monde, realçando que as "suas observações não comprometem o movimento".

O fundador e presidente honorário da FN está convocado perante o gabinete executivo do movimento para na segunda-feira responder pelas suas recentes declarações em contradição com a linha oficial fixada pela filha.

Jean-Marie Le Pen, que também ocupa um lugar no Parlamento Europeu, reiterou no início de abril a intenção de definir as câmaras de gás como um "detalhe" da história da Segunda Guerra Mundial, o que lhe valeu uma condenação penal.

O político francês defendeu o "mundo dos brancos" e criticou o programa da FN e os partidários mais próximos de Marine Le Pen.

Apesar de não ter sido convidado, o velho tribuno, de 86 anos, subiu à plataforma oficial durante a tradicional manifestação de 1.º de Maio da FN em Paris, para saudar a multidão, consternando a filha, que estava prestes a iniciar o seu discurso.

"Eu acho que ele ultrapassa completamente as prerrogativas que lhe são dadas pelo seu estatuto pessoal" de presidente honorário, disse hoje Marine Le Pen, classificando estes atos como "atos de malícia" que "são inaceitáveis".

Marine Le Pen voltou oficialmente a página aos compromissos com os neonazis e os movimentos anti-republicanos, mantendo uma linha nacionalista e anti-imigrante.

A presidente da FN também disse hoje não estar "em caso algum ao corrente dos assuntos patrimoniais de Jean-Marie Le Pen", que, de acordo com o 'site' de notícias online Mediapart, terá mantido uma conta escondida na Suíça.

Lusa
  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03

    Mundo

    António Costa defendeu uma diplomacia pela paz. O primeiro-ministro português saiu em defesa da língua portuguesa e da presença do Brasil e da Índia no Conselho de Segurança das Nações Unidas. No discurso na Assembleia Geral da ONU, Costa salientou também o compromisso do país em relação ao multilateralismo e às questões ambientais.

  • "Atrás das Câmaras" em Fátima
    2:48
  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Furacão Maria volta a ganhar força

    Mundo

    Apesar de ter perdido intensidade, após a passagem por Porto Rico, onde deixou um rasto de destruição, Maria voltou a ganhar força, é agora um furacão de categoria 3. Está a afetar a zona norte de Punta Cana, na República Dominicana com ventos que atingem os 90 km/há e move-se para o noroeste.

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.