sicnot

Perfil

Mundo

Juízes franceses terminaram em abril investigação à morte de Yasser Arafat

Os juízes franceses envolvidos na investigação da morte de ex-líder palestiniano Yasser Arafat em 2004 terminaram em abril a investigação criminal aberta por suspeita de assassínio, disse hoje um procurador.

© Finbarr O'Reilly / Reuters

"Os juízes que investigavam [a morte de Arafat] encerraram o inquérito que foi encaminhado para o Ministério Público a 30 de abril", que tem agora três meses para apresentar observações, disse o procurador.

Os peritos designados pelos tribunais franceses descartaram no início do ano a teoria de envenenamento por polónio 210 do líder histórico dos palestinianos, que morreu num hospital perto de Paris a 11 de novembro de 2004.

Três juízes foram responsáveis pela investigação iniciada em agosto de 2012 por suspeita de "assassínio" na sequência de uma queixa apresentada pela viúva de Yasser Arafat, Suha Arafat, depois de ter sido descoberto polónio nos pertences pessoais do marido.

Em 2013, os franceses, assim como uma equipa russa, tinham já excluído a possibilidade de envenenamento do líder palestiniano.







Lusa
  • Marcelo na peregrinação de Nossa Senhora de Fátima no Luxemburgo

    Mundo

    O Presidente da República participou esta quinta-feira, a título privado, na peregrinação em honra de Nossa Senhora de Fátima, na cidade luxemburguesa de Wiltz. Milhares de portugueses receberam Marcelo Rebelo de Sousa, que assistiu à missa e, durante alguns minutos, participou na procissão.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.