sicnot

Perfil

Mundo

Vários capacetes azuis mortos na República Democrática do Congo

Vários capacetes azuis da ONU na República Democrática do Congo (MONUSCO) foram mortos hoje durante uma emboscada no território de Beni, na província de Kivu do Norte, anunciou o chefe da missão, Martin Kobler. 

© David Lewis / Reuters

"É com tristeza e raiva que soube da morte de capacetes azuis numa emboscada perto de Beni", um grande centro comercial situado no norte da conturbada província de Kivu do Norte, disse Martin Kobler na sua conta no Twitter, sem especificar o número de soldados mortos.

Questionado pela agência noticiosa AFP, Martin Kobler disse que condena os ataques contra os capacetes azuis e expressou apoio às famílias das vítimas mortais e dos feridos.

O represente do secretário-geral da ONU na República Democrática do Congo afirmou que ainda não pode fazer uma avaliação precisa da emboscada.

"Estamos a investigar agora", disse.

O administrador do território de Beni, Kalonda Amisi, disse que ainda não tinha números, mas que o ataque foi contra uma coluna de capacetes azuis da Tanzânia, que caíram numa emboscada do ADF, rebelião ugandesa das forças aliadas.










Lusa
  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.