sicnot

Perfil

Mundo

Ator indiano condenado a cinco anos de prisão por atropelar e matar sem-abrigo

O ator indiano Salman Khan, estrela da indústria de cinema da Índia, conhecida como "Bollywwod", foi condenado hoje a cinco anos de prisão por ter atropelado e matado um sem-abrigo e depois ter fugido do local, em 2002.

© Shailesh Andrade / Reuters

Khan, que foi condenado por homicídio voluntário, foi com o seu veículo 4x4 contra um grupo de sem-abrigo que dormia na calçada de um bairro de Bombaim.

Um dos sem-abrigo morreu e outros ficaram feridos.

Salman Khan, uma estrela popular de Bollywood graças a filmes como "Dabangg", mostrou-se abatido depois da leitura da sentença, segundo um jornalista da agência AFP presente na audiência.

Khan, de 49 anos, sempre negou estar a volante do carro, mas fugiu do local.

Uma série de pessoas, que estavam nas proximidades, testemunharam que o ator conduzia o veículo em alta velocidade quando atingiu os sem-abrigo, perto de uma padaria no bairro chique de Bandra, no oeste de Bombaim, em setembro de 2002, depois de uma noite de bebedeira num bar.

O ator arriscava apanhar 10 anos de prisão, mas o juiz D.W. Deshpande decidiu aplicar-lhe uma pena de cinco anos que, mesmo assim, poderá colocar um fim abrupto na carreira de uma das maiores estrelas da Índia.

O veredito era esperado por numerosos fãs do ator, mas igualmente pelos estúdios de Bollywood, que poderão ter pesadas perdas devido à prisão do ator.

Salman Khan é filho de um guionista muito conhecido e trabalhou em mais de 100 filmes, depois do seu primeiro sucesso "Maine Pyar Kiya (Eu me apaixonei)", nos anos de 1980.

O ator esteve sempre envolvido em controvérsias e passou uma semana na prisão por ter matado uma gazela, de uma espécie ameaçada, em 1998 durante uma caçada.








Lusa
  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08